FANFIC - NÃO É MAIS UM ROMANCE LITERÁRIO - CAPÍTULO 12

Olá Amores!!! Hoje vamos curtir o 12° capítulo de "Não É Mais Um Romance Literário". Quer acompanhar a história desde o início? Clique aqui.

Isabella Swan têm a sua vida transformada após conhecer o enigmático romancista Edward Cullen. O que acontecerá com a estudante ao se envolver com alguém tão misterioso?

Autora : Jacqueline Sampaio
Classificação: +18
Gêneros: Romance
Avisos: Sexo


Capítulo 12

Sexta. Contei a Angela tudo o que ocorrera, mas ocultei a parte relacionada à Jacob. Não consegui. Ainda digeria o que ocorreu. Jacob me beijou. O que isso significa? Enquanto perguntava-me o significado de um ato tão singelo, o dia transcorreu normalmente.

Não sabia ao certo o que faria. Edward provavelmente espera que eu vá para seu quarto de hotel depois da aula como de costume. Eu não sabia o que fazer. Se fosse até ele, acabaria por extravasar a raiva que estava sentindo pelo seu descaso. Isso seria um erro visto que não temos nada de especial. E sentia certo temor de ir para casa e me encontrar com Jacob. Como deveria agir para com ele depois do que aconteceu? Não tinha ideia. Ao termino das aulas fingi para Angela que estava tudo bem. Marchei metade do caminho para casa, mas desisti. Para onde correr quando não se tem um lugar para ir? Mas eu sabia. Foi no cais que me refugiei avisando aos meus pais que demoraria. Talvez tenha escolhido mal, visto que fui algumas vezes àquele local com o Edward, mas senti algo indescritível lá. As lembranças com ele não me deixaram mais deprimida. Porque o poder daquele lugar era algo reconfortante. Sentei a beira do cais. Suspirei. Meu celular toca, era Edward. Atendi.

–Alô?


–Deveria está aqui para suas “aulas”, não é?

–Lamento Edward, mas não quero incomodá-lo por isso eu não vou mais.

–Como assim?

–Você está muito ocupado com seus casos então não irei mais incomodá-lo. –Ouvi uma sonora gargalhada.

–Com ciúme Bella?

–Vou desligar Edward.

–Está em casa?

–Não e nem adianta ficar prostrado lá. Não voltarei para casa tão cedo!

–Nossa. Tudo isso por um ciúme bobo? –Minha raiva crescendo assustadoramente. Se ele estivesse a minha frente correria o risco de esganá-lo.

–Vou desligar! –Segurei o celular durante uns poucos segundos para depois desligar.

Era bem verdade que queria ter dito a ele onde estava, mas acabei por desligar, suprimindo minha vontade. Uma parte de mim estava feliz pela minha resolução e a outra gritava a plenos pulmões como eu era idiota! Guardei o celular. Olhei para o mar. Um pôr-do-sol belo coloria o céu em tons alaranjado, vermelho e lilás. A brisa marítima percorria meu corpo, o barulho dos pássaros...

–Esse lugar é maravilhoso, mas não serve como escape para meus problemas. Quando chegar em casa, eles estarão lá. Estranho pensar que, há algum tempo eu reclamava de minha vida pacata. –Disse para o vento, tendo as gaivotas como ouvintes dos meus lamentos. Logo me encaminhava para casa. Meus pais não haviam chegado, fiquei aliviada por não ver Jacob. Ainda tentava entender o que havia se passado entre mim e ele e definir o que havia sentido por ter sido beijada por ele. Ou talvez não quisesse descobrir que eu gostei. Sim, eu gostei de ser beijada por Jacob.
Tomei um longo banho. Não comi nada, apenas escovei os dentes e vesti um pijama qualquer. Eu só queria dormir. Quem sabe assim eu não esqueceria temporariamente os problemas? E quando já sentia o sono, senti a brisa da noite mais intensa. Estranhei. Como poderia estar intensa se fechei a janela? Nada pude ver por estar deitada de lado com a face para a parede. Estremeci pensando que poderia ser algum ladrão. Encolhi-me ainda mais, o cobertor cobrindo da ponta dos pés até o pescoço. Cobriria a cabeça se tivesse coragem de me mover. A estranha figura deitou-se atrás de mim e então eu soube de quem se tratava. Não precisei virar e olhar sua face, aquele calor era bem conhecido e acompanhado a ele o leve cheiro de tabaco.

–O que faz aqui? –Questionei sem me mover. Edward enlaçou-me pela cintura. O hálito em minha nuca onde depositou um beijo.

–Ela não significa nada para mim. Apenas uma transa.

–Eu também não significo, certo? –Perguntei.

–Se continuar agindo como uma criança não significará nada mesmo.

–Não sou eu que ajo como uma criança. É você Edward. Só você. Brincando com os sentimentos das pessoas assim.

–Eu brinco com seus sentimentos Bella? –Ele ergueu um pouco do corpo e se esforçou para ver meu rosto.

–Brinca. –Falei em um fio de voz.

–Eu já imaginava. Visto que você é virgem, é mais sensível do que as outras. –Ele afastou-se deitando com as costas totalmente encostadas no colchão. Os braços como supunha cruzado embaixo da cabeça. Virei-me e fitei o teto do mesmo modo que ele.

–Edward... Antes que essa brincadeira termine mal eu... –Olhei para ele, Edward com os olhos fechados. Estaria dormindo? Aproximei já preocupada. Ele não poderia dormir ali comigo. Ao tocar sua fronte, senti a temperatura elevada. –Edward... Você está com febre? –Perguntei. Minha mão em sua testa. Ele a retirou.

–Estou bem. Vou para casa. –Levantou-se. –Talvez seja melhor darmos um basta. –Ele disse, e tão logo se retirou pela janela. Meu peito se enchendo de dor.

Acordei desanimada. Contei a Angela o que aconteceu, ela padeceu pelo meu sofrimento e pela primeira vez, criticou Edward. Nada disse. Não posso criticá-lo se tudo chegou a este ponto. Eu sabia como ele era e aceitei seu jogo. Mesmo assim não consegui esboçar um único sorriso durante todo o período de aula. A ideia de não ter Edward para mim era sufocante! Tentei o quanto pude lutar contra as lembranças de Edward, mas parecia algo impossível. Ainda assim, segui com meu dia e senti um alivio quando as aulas terminaram.

–Então você não vai mais para Camp Pendleton North com Edward nas férias?

–Provavelmente não Angela.

–Então vai para lá comigo!

–Quê?

–Meus pais decidiram ir para Camp. Quero que vá comigo Bella. Eu peço a seus pais, sei que eles deixarão.

–É. Até que é uma boa ideia. Bem eu tenho que ir. Obrigada por me aturar Angela. –Despedi-me de minha amiga. Fui para casa e confesso ter sentido uma vontade enorme de sumir ao ver o carro de Jacob estacionado a frente de casa. Teria feito isso se Jacob, que estava na varanda, não tivesse me visto e me chamado.

–Bella? –Ouvi sua voz. Olhei para a figura bela com o rosto sereno.

–Oi Jake. Que surpresa vê-lo por aqui. –Mal conseguia fitá-lo. Estava embasbacada. Jacob sorriu. Levantou-se da calçada que até então estava sentado.

–Então... Vamos entrar Jake.

–Infelizmente não poderei ficar. Tenho alguns compromissos.

–Ah que pena. Então... Por que veio aqui? –Meu coração parecia que ia deixar o meu peito. Temia que ele dissesse algo referente ao que tinha acontecido. Não estava preparada para conversar sobre aquele assunto.

–Haverá um evento com celebridades nesse domingo. Gostaria de sua companhia.

–Evento? Não sei Jake... Eu me sentiria deslocada se fosse a um evento como este. Além disso, não estou a sua altura para ir a um lugar assim. Você sendo modelo deveria levar uma pessoa...

–Não termine esta frase Bella. –Ele falou sério. Emudeci. –Você é a pessoa ideal. Devo ir a esse evento, mas não desejo ir só. Bella... Peço para que me acompanhe. –Não consegui negar. Assenti com a cabeça e vi o sorriso de Jacob se alargar.

–Obrigado. –Agradeceu beijando-me na bochecha. Logo mais saiu acenando. Não me arrependi de ter aceitado o convite. Mas alguma coisa me dizia que estava cometendo um grave erro.

Em um impulso liguei para Edward, não fui atendida. Suspirei. Ele não me atendeu. Agora sim não tinha dúvidas de que tudo havia terminado. Agora terminava de me arrumar, Jacob havia comprado um lindo vestido lilás para que eu usasse. Mamãe ajudou-me inicialmente a me vestir, mas, não suportando seus palpites acerca de Jacob, disse que poderia me arrumar sozinha. Jake fora pontual, chegou as sete como supunha. Como sempre ele estava belo. Ao descer as escadas sabendo de sua presença, fui recebida por um singelo sorriso.

–Venha Bella. Quero poder apresentá-la as pessoas conhecidas deste evento. –Disse. Logo estávamos a caminho do evento no hall de um luxuoso hotel.

–Nossa! Isso tudo é... Lindo. –Murmurei ao adentrar o local. Logo fomos cercados por alguns fotógrafos. Permaneci estática com tamanha atenção. Jacob em uma postura bela, sorria. Já sentia meus olhos doerem com a quantidade de flash. Jacob percebeu e conseguiu me tirar naquele tumulto.

–Obrigada.

–Não precisa me agradecer por isso Bella. Vamos para um local mais sossegado. –Jacob segurou minha mão guiando-me com elegância pelo extenso salão. Ficamos em um canto afastado.

–Pegarei algo para bebermos. –Ele disse saindo de imediato. Recostei-me na parece olhando tudo a minha volta. Vi muitos rostos conhecidos naquele ambiente. Cantores, atores, atrizes, modelos... E a cada instante me sentia mais deslocada. Mas foi em um dado momento que aconteceu.

–Não pode ser... –Murmurei assustada. –Como ele pode estar aqui? –Questionei-me olhando a figura que me referia com outra mulher. –Edward...

2 comentários:

tete disse...

nossa o que vai acontecer? espero anciosa por mais um capitulo beijos

Jannáyra Menezes disse...

Oooooh meu Deus....... quero mais cap.. :'( so amanha??

Postar um comentário

Deixe aqui o seu comentário sobre o post: