FANFIC - QUANDO MENOS SE ESPERA - CAPÍTULO 16

Olá Amores!!! Hoje vamos curtir o 16° capítulo de "Quando Menos Se Espera". Quer acompanhar a história desde o início?Clique aqui.


A fresta de luz que atravessou a escuridão não iluminava muito e não conseguia ver muito dele, e ele se escondeu mais nas sombras para evitar que eu o visse.


- O que faz aqui menina? ele rosnou e me encolhi, eu não devia ter subido.


- Eu sinto...



- Saia imediatamente. grunhiu, desesperada praticamente corri para fora da sala, mas em minha pressa tropecei em um tapete e antes que caísse no chão, braços fortes me rodearam e o calor do corpo alto e forte me envolveu completamente, arfei abrindo os olhos que nem notara que havia fechado e olhei para o meu salvador, não pude deixar de ofegar ao ver seus olhos de um ver profundo penetrantes me encarando.


- O obrigada... muito lentamente ele me ergueu me colocando em pé, mas suas mãos grandes ainda estavam sobre mim, exceto por seus olhos penetrantes, eu pouco via dele, ele se moveu para mais perto de mim. Ofeguei quando a luz que vinha da fresta da janela pegou do lado de seu rosto, uma fina cicatriz cruzava seu rosto, começando sobre a sobrancelha e indo por toda sua bochecha.


- Você não devia estar aqui.


Edward estava conformado com sua nova vida, uma vida de solidão, sem família, sem amigos, sem amor. Uma vida de clausura que ele impôs a si mesmo, se escondendo do mundo, se escondendo de si mesmo. Mas quando ele menos esperou ela surgiu em sua vida, trazendo tudo que ele achou que nunca mais teria. Pois é quando menos se espera que as coisas boas vem, basta esperar para ver.


Autora : Paula Halle
Classificação: +18
Gêneros: Hentai, Romance
Avisos: Heterossexualidade, Nudez, Sexo




16. Eu não esperava que a noite acabasse assim.




Agradeci enquanto fomos para minha sala, e Emmett começou a ver no computador como resolver meu problema. Rosalie se juntou a mim para me mostrar como a empresa estava indo, e ligamos para o advogado da empresa para ajeitar a papelada para que Rosalie assumisse a sede de Palo Alto.


Eu pensei em voltar à empresa, mas eu preferia passar meu tempo com Bella. Então, usaria as manhãs enquanto ela estava na escola para estar no trabalho, e o resto do meu tempo seria dela.


Olhei meu relógio e sorri, se eu saísse agora eu poderia passar na escola de Bella, quem sabe podíamos sair ter um encontro, sim, isso seria bom. Bella merecia ter um encontro, nosso relacionamento parecia ser só sexual às vezes, mas eu queria mostrar a ela que era mais, muito mais.


Apressei Emmett e Rosalie, prometendo voltar amanhã, hoje eu queria terminar o dia com minha Bella.

[...]


Estacionei o carro em frente à escola de Bella com um suspiro de alívio, deu tempo. Havia forçado um pouco o carro, mas eu só queria que desse tempo para que eu a visse. Havia sentido sua falta como um louco.


Ouvi o sinal que imaginei ser do fim da aula, sai e me encostei ao carro. O dia havia sido muito produtivo. O advogado da empresa já havia dado inicio a papelada, e até o final da semana Rosalie seria a presidente oficialmente. Emmett me ajudou com a carta conseguindo uma autorização para que eu pudesse conduzir, até que eu pudesse renová-la permanentemente.


Meus maiores problemas haviam sido resolvidos e eu estava para encontrar com Bella, e se ela aceitasse iria levá-la a um encontro.


Comecei a notar que muitos dos alunos estavam de olho em mim, principalmente do sexo feminino. Comecei há ficar um pouco desconfortável com tanta atenção, felizmente eu estava de óculos, e não seria reconhecido, eu espero. Na empresa com a ajuda de Rosalie e Emmett havia conseguido sair sem causar muito tumulto, mas não era algo que pudesse evitar para sempre, ainda mais se eu voltasse para a empresa.


Mas isso era algo que iria me preocupar quando precisasse.


O riso de Bella chamou minha atenção e me endireitei ao vê-la rindo e brincando com o rapaz que lhe dava carona. Havia uma garota com eles que me notou

primeiro, quando Bella finalmente percebeu que era eu, ela parecia muito chocada.


Seus amigos sussurram algo e ela falou apressadamente sem tirar os olhos de mim. Comecei a sorrir conforme ela se aproximava, ela se virou para o amigo por um momento dizendo algo e em seguida o beijou, eu queria ser ciumento, mas seu relacionamento com o garoto era muito fraternal.


Em seguida ela se afastou deles e correu para mim, assim que estava bem perto sorri, ficando ereto.


– Oi. – ela sussurrou.


– Oi pequena. – Bella parecia um pouco em choque, o que me fez rir.


– Eu... o que faz aqui?


– Eu tive que sair e resolvi vir fazer uma surpresa.


– Oh... legal. – ela parecia tão surpresa com minhas palavras, mas imensamente feliz também.


– Então, eu não ganho um beijo de oi? – suas bochechas coraram adoravelmente, e sorri com isso, Bella era sempre decidida e nada tímida, mas nesses raros momentos ela ficava deslumbrante, sem me conter, a puxei para mim quando ela se aproximou a erguendo do chão e beijando seus lábios com urgência.


Quando suas mãozinhas chegaram ao meu cabelo o puxando com força, eu estava perdido. Mal me lembrava de onde estava, a abracei e apertei-a contra mim, minha mão deslizou para sua bunda e seus gemidos foram direto para meu pau. E ela se esfregando em mim descaradamente também não estava ajudando.


Lutando contra o desejo de virá-la, prensar ela contra o carro e a foder com força, eu me afastei rindo e dei mais um beijinho nela, antes de ajudá-la em seus pés.


– Tudo bem amor?


– Sim. – sorri e olhei no chão reparando na mochila dela ali, a peguei e apressadamente abri a porta do carro para Bella.


– Entre Bella.


– Vai me levar para casa? – havia um pouco de tristeza em sua voz e sorri.


– Não. Vamos, entre. – ela obedeceu, e entreguei sua mochila e fechei a porta indo para o lado do motorista.


Quando terminei de afivelar meu cinto, peguei Bella me encarando e sorri pegando seu queixo e lhe dei outro beijo, eu poderia beijá-la para sempre.


– Eu te amo. – sussurrei, eu nunca cansava de dizer para ela.


– Também te amo. – ela sussurrou de volta, e ouvir era melhor ainda. Me afastei ligando o carro e saindo do estacionamento.


Peguei Bella me encarando e ri.


– O que?


– Não que eu esteja reclamando, porque eu não estou, você está um tesão de terno. – Bella era uma figura, sempre dizendo as coisas mais absurdas.


– Obrigado, eu acho. – ela sorriu, mas sabia que ela estava curiosa. – Então por que o sorriso?


– Ah, é que eu to meio surpresa, por que está vestido assim, por que veio me ver, e por que saiu de casa? – nossa, a curiosidade a devia estar matando.


– Calma amor. Uma coisa de cada vez. Eu estou de terno porque tive que ir a empresa.


– Você realmente foi?


– Sim, Carlisle não quer assumir os negócios por causa de Jasper, ou eu faço ou arranjo alguém. Eu precisei ir. – eu iria contar todas as minhas decisões a Bella mais tarde. Agora era pra ser um momento só nosso.


– Deve ter causado uma comoção quando chegou lá, em. – ela riu.


– Na verdade sim. Foi uma bagunça. – só esperava que amanhã estivesse mais calmo.


– E está tudo bem?


– Sim, tudo em ordem. Mas eu vou ter que ir lá mais vezes do que eu queria. – pelo menos com Rosalie comandando eu ainda teria muito tempo para minha menina.


– Oh... – Bella pareceu um pouco triste, com certeza achando que eu voltaria a ser o louco por trabalho que eu lhe disse que era. Mas aquele Edward não existia mais, eu era um novo homem, e minhas decisões agora sempre incluiriam Bella.


– Mas só de manhã, minhas tardes e noites são suas. – disse rapidamente e seu sorriso era tudo que precisava para me fazer feliz e saber que tomei a decisão certa.


– Sério?


– Sério.


– Bom, mas por que veio me buscar? – ela perguntou mais alegre e meu sorriso devia estar rasgando meu rosto.


– Porque nós teremos um encontro.


Bella me olhou com os olhos arregalados, mas em seguida seu sorriso era maior que o meu se possível.


– Sério?


– Sim... bem se você quiser... – comecei hesitante, mas ela se apressou em me interromper.


– Sim, sim, eu quero. Mas eu estou bem... – ela começou a se ajeitar.


– Você está perfeita. – suas bochechas adquiriram seu tom lindo de rosa.


– Mas você está todo sexy e chique, e eu...


– Bella não se preocupe, iremos somente ao cinema, ou algo assim. Faremos algo que você goste. Eu só quero sair com minha menina e ficar um pouco a sós.


– Oh, isso é muito bom.


– Bom. – concordei e dirigi pela cidade. – Então, o que vai ser?


– Estou com fome, podemos comer e depois ver um filme?


– Claro.


Dirigi para um pequeno restaurante que já havia ido com meus pais, nem achava que o lugar existisse mais, mas ainda estava lá. Era mais um ponto para os jovens, Bella sorriu quando estacionei.


– Já veio aqui?


– Sim, uma vez com Seth, foi quando ele ficou com Claire a primeira vez e eu... – ela parou de falar fazendo uma careta, e franzi o cenho.


– O que?


– Nada não.


Pensei em perguntar, mas ela parecia não querer tocar no assunto, então não forcei. O lugar era mais uma lanchonete do que um restaurante. Então, rapidamente comecei a tirar a gravata e o terno ficando só de camisa, notei Bella me olhando e sorri.


– Bem melhor né? – ela tirou seu cinto e rastejou até meu colo, retirou meus óculos o colocando sobre o painel do carro, e começou a abrir alguns botões da minha camisa, arquei uma sobrancelha, mas ela sorriu maliciosamente, e quando estava satisfeita foi até meu braço e arrumou a manga dobrando até o cotovelo, depois foi para o outro braço.


– Agora sim, tá muito sexy. – beijei seus lábios, e ela suspirou contra minha boca, suas mãos enrolando em meu cabelo, e sua língua brincando com a minha.


Desci minhas mãos por seu corpo até sua bunda a apertando, Bella gemeu rebolando em meu colo, eu queria estar em meu quarto com ela.


– Deus... – gemi quando ela afastou a boca da minha, dando beijos em meu pescoço. Ela chupou minha pele dando lambidas em seguida.


– Adoro seu gosto. – sussurrou e grunhi apertando sua bunda mais forte.


– E eu o seu, amor.


– Hmmm, isso é bom, adoro suas mãos. – ri.


– São suas.


– Adoro seu pau. – ela se esfregou novamente nele, e eu já estava duro.


– Ele é seu também.


– Então me dê ele. – ela mordiscou minha garganta e a afastei.


– Como?


– Seu pau, eu quero, agora. – pontuou cada palavra com um beijo e rosnei.


– Bella... – ela deu uma rápida olhada, e felizmente estávamos no estacionamento dos fundos, graças a Deus as janelas do carro eram escuras.


– Vamos, não tem ninguém. – ela pressionou sua bunda contra meu pau e grunhi.


– Porra...


– Não tenho camisinha. – ela riu e sem sair de cima de mim se esticou para sua mochila e cavou dentro até achar o que estava procurando, com um sorriso vitorioso me mostrou uma camisinha e ri.


– Prontinho.


– Você é terrível menina.


– E você adora isso.


– Eu amo isso. – ela me beijou com urgência, mas dessa vez sua mão ia para minha calça onde ela começou a abrir.


Suspirei quando sua mão entrou em minha calça agarrando meu pau, ela o acariciou algumas vezes e eu estava ficando mais e mais duro. Subi minhas mãos por suas coxas, graças aos céus ela estava de saia.


Acariciei o interior das suas coxas, e seu gemido fez meu pau tremer, afastei sua calcinha levando minha mão entre suas pernas e a senti molhada pra mim, sua boceta pegando fogo.


Bella afastou a boca da minha gemendo, e começou a colocar a camisinha em mim, obervei enquanto ela massageava meu pau no processo, e quando acabou eu a ergui, e ela levou meu pau para sua boceta.


Ambos gememos quando seu calor apertado rodeou meu pau, tão deliciosamente bom, levei minhas mãos para sua bunda novamente, ela gemeu rebolando sobre mim, e meu pau latejou dentro dela.


Porra, essa menina acabava comigo. A ajudei a se mover sobre mim, enquanto beijava sua boca, seus gemidos eram engolidos por meus lábios, assim como os meus pelos dela.


Continuei empurrando meu pau dentro dela, com cada vez mais força, eu estava perto de vir, afastei minha boca da dela, e abri sua blusa liberando seus seios, e gemi com a visão. Os seios dela eram pura perfeição, pequenos com bicos rosados. Levei seu mamilo em minha boca o chupando, e enquanto esfregava o outro Bella grunhia e gemia se movendo sobre mim com urgência.


Sua boceta já mastigava meu pau o sugando, mudei meus lábios para o outro seio e levei a mão entre nossos corpos esfregando seu clitóris inchado, ela gritou agarrando meus ombros com força quando veio em todo meu pau.


Eu vim em seguida empurrando meu pau profundamente dentro dela, quando paramos de nos mover nos encaramos sorrindo ofegantes.


– Isso não se faz amor. – ela riu.


– Você adorou. – inferno, eu amei, mas mesmo assim, e se alguém nos visse?


– Eu realmente adorei. – dei um beijo rápido nela e a ajudei a sair de cima de mim, ela nos limpou com sua calcinha, e nos ajeitamos do jeito que deu.


Coloquei meus óculos novamente e sai do carro pegando sua mão.


– Venha, vamos para nosso encontro. – ela riu e saiu do carro comigo, entramos na lanchonete e escolhemos uma mesa mais no fundo para comer.


Pedimos e conversamos. Contei a Bella minhas decisões e ela adorou, e estava louca para conhecer Rosalie e Emmett. Ela gostou mais ainda ao saber que eles eram como nós, ele mais jovem que Rosalie.


Acho que era uma amostra que a diferença de idade não atrapalha o amor.


Depois de comer fomos ao cinema, e como eu não conhecia nada Bella escolheu por nós. Não que tivéssemos visto alguma coisa. Passamos a maior parte do filme aos beijos, com Bella no meu colo.


Quando resolvemos ir pra casa já estava escuro, mas havia sido um dia perfeito. O único problema era como colocar Bella em casa sem parecer que chegamos juntos.


– Podemos dizer que Seth me deixou no portão e eu peguei carona com você até aqui.


– Pode ser. Eu odeio isso. – ela bufou.


– Nem me diga, mas eu não quero que meus pais criem um caso por nós, ou que nos afastem.


– Acha que eles fariam isso?


– Eu não sei, mas esse é meu medo. Mesmo que eu não goste de admitir, para a maioria eu sou uma “criança”. – ela fez aspas e ri.


– Verdade, mas você não tem nada de criança.


– Mas como fazer o resto entender. Porque se meus pais aceitarem, eu não me importo com o que ninguém mais diz.


– Nem eu. – ficamos em silêncio e pensei em duas coisas que eu queria fazer com ela.


– Bella.


– Sim?


– Eu terei que ir até a outra sede aqui na Califórnia e passar um fim de semana.


– Oh, ok, quando você vai? – perguntou tristemente e ri.


– Bem, ai é que está. Eu gostaria de levar você comigo. – sua boca se abriu e fechou várias vezes.


– Sério?


– Sim.


– Oh Meu Deus, sim, sim, sim. – ela começou a pular no assento e ri.


– Ótimo, agora nosso problema é como vou sequestrá-la por um fim de semana inteiro. – ela mordeu o lábio, com certeza matutando algo naquela cabecinha louca dela. – Outra coisa que eu queria te pedir.


– O que?


– Que tal na sexta você ir à empresa comigo.


– Ah eu vou amar, assim posso conhecer Emmett e Rosalie.


– Sim, eles estão loucos para te conhecer também. – ela deu um gritinho animado me fazendo rir, quando chegamos estacionei o carro na frente da casa e saímos.


Peguei a mochila de Bella e entreguei a ela quando a porta se abriu de repente, nos fazendo pular.


– Isabella, você está em apuros mocinha. – nos encaramos em pânico, e em seguida olhamos Renée, ela me notou com Bella e corou.


– Oh Sr. Masen.


– Er...


– Mamãe o que há? – Bella chamou e Renée se voltou pra ela irritada novamente.


– Por que não ligou avisando que ia chegar tarde?


– Merda!


– A boca.


– Desculpa mãe. Eu me distrai com Seth e Claire. – Renée suspirou.


– Ok, está perdoada dessa vez... – ela parou pra pensar e olhou para mim. – Você veio com o Sr. Masen?


– Er...


– Hmmm...


– Renée, o que faz aí fora? – Charlie apareceu e olhou entre nós. – O que está acontecendo?


– Bella estava com Edward.


– Como? – os olhos de Charlie pareciam que iam sair das órbitas, talvez fosse melhor não contar mesmo.


– Eles chegaram juntos agora.


– Oh isso. – ele riu aliviado e Renée se voltou para ele.


– O que você pensou?


– Ah sabe, que eles estavam juntos, juntos. – ela franziu o cenho, e começou a abrir a boca, mas achei melhor falar algo antes eles percebessem que eu estava mais do que “junto” com sua filha.


– Eu encontrei Bella e o amigo no caminho e ofereci carona para ela. – ambos me olharam e Charlie assentiu satisfeito, já Renée parecia desconfiada.


– Obrigado Sr. Masen.


– Me chame de Edward, Charlie. – ele riu.


– Claro, claro. Venham Renée já fez o jantar. – olhei para Bella que olhava para sua mãe, na verdade as duas se encaravam muito.


– Então vamos entrar. – falei e todos assentiram e entraram, comecei a ir para cima, murmurando que ia tomar um banho e descer em seguida.


Bella disse o mesmo, e ambos corremos para nossos quartos. Será que Renée havia notado algo? Esperava que não.


Não que eu tivesse medo, mas assim como Bella, eu temia que eles nos afastassem, e não poderia viver longe da minha menina. Ela já era parte de mim.


Tomei um banho rápido e me vesti, descendo para comer, assim que desci notei que havia algo errado, Charlie parecia bem, mas Bella e Renée estavam muito quietas, me vi olhando para elas mais de uma vez. Felizmente Charlie estava alheio ao que quer que fosse que acontecia.


Assim que acabou o jantar, enrolei um pouco conversando com Charlie, mas assim que deu fugi para meu quarto, eu precisava falar com Bella. Desconfiava que Renée tivesse descoberto sobre nós. Bem, tinha que ser algo assim, pois ela parecia muito tensa.


Deitei na minha cama esperando pelo que pareceram horas, mas foi somente uma. Eu já estava ficando agoniado com a demora de Bella quando ouvi uma batida na porta e fiquei aliviado ao saber que ela estava aqui, levantei de um pulo e abri a porta sorrindo, mas parei ao dar de cara com Renée.


– Edward, podemos conversar?


– Oh... er... claro. – ela sorriu entrando mais no quarto e encostei a porta.


– Algo errado? – ela me olhou bem decidida.


– Sim, eu o conheço há anos, e quero que me diga a verdade.


– Ok, o que há?


– Você está interessado na minha filha?


– O que?


– Não minta Edward Masen, eu sei que algo está acontecendo, e quero saber o que... – Renée não acabou de falar, pois Bella entrou no quarto com um dos seus mini vestidinhos.


– Cheguei, gostoso.


Tampei o rosto com as mãos. Ela tinha que chegar assim?


– Oh Meu Deus!


– Mãe?


Eu não esperava que a noite acabasse assim.




Continua...





3 comentários:

LAV RIBEIRO disse...

rsrsrs depois dessa não tem como negar......

tete disse...

nossa que susto e agora? o que vai aconteceramei beijos e uma otima noite para vce

Françoise Rodrigues disse...

gnt !!! q loucura !! e agora???
ain q medo !!!!
mas tbm foi engraçado !!!kakaka

Postar um comentário

Deixe aqui o seu comentário sobre o post: