FANFIC - NÃO É MAIS UM ROMANCE LITERÁRIO - CAPÍTULO 5

Olá Amores!!! Hoje vamos curtir o 5° capítulo de "Não É Mais Um Romance Literário". Quer acompanhar a história desde o início? Clique aqui.


Isabella Swan têm a sua vida transformada após conhecer o enigmático romancista Edward Cullen. O que acontecerá com a estudante ao se envolver com alguém tão misterioso?


Autora : Jacqueline Sampaio
Classificação: +18
Gêneros: Romance
Avisos: Sexo




Capítulo 5


–Então Bella... O que o senhor Cullen escreveu em sua dedicatória?

–Ah ele... Ele colocou o mesmo que no seu, mudou apenas o seu nome para o meu.

–Nossa, nesse ponto ele não foi nenhum pouco autêntico! Então... O que faremos Bella? Vamos para casa ou passeamos?

–Sabe Angela eu... Eu não estou muito bem então...


–Tudo bem. Vamos para casa. –Saímos do shopping. Angela logo pegou sua condução. Eu, no entanto, voltei para o shopping. E enquanto perguntava o porquê de agir assim, segui para o terraço. Sentei em um banco afastado da multidão.

Olhava para o chão aflita. O que Edward queria de mim afinal? Por que meu coração tripudiou ao ler seu escrito? Nem sei quanto tempo esperei naquele local, mas certamente estava lá a mais de vinte minutos. Imaginando ter sido vítima de alguma brincadeira sem graça do Cullen, eu levantei já pronta para ir embora.

–Pretende mesmo me dar um bolo, senhorita Bella? –A voz logo atrás de mim. Lá estava ele. Paletó preto e blusa interna branca. Belo. Eu o vi sentar no banco. Acender um cigarro e colocá-lo na boca, olhando fixamente para mim, e ao terminar do cigarro me observar prostrada ali, fitando-o.

–Não vai se sentar? –Tão logo sentei. O coração quase escapando do peito. –Alguma sequela do atropelamento? –Perguntou divertido.

–Felizmente não, senhor Cullen.

–Me chame de Edward. Sou tão velho assim a ponto de ser chamado de senhor? Tenho apenas vinte e três. –Recostou-se sobre o banco a fim de ficar mais confortável– Certamente. E você? Tem quantos anos? Treze?

–TENHO DEZESSEIS!

–Acalme-se! –Ele olhou-me achando divertida a situação. E eu com o rosto comprimido pela raiva. –Dezesseis? Uma menina!

–É por isso que o chamei de senhor. Com sua idade e mentalidade de um idoso! –Sorri vitoriosa e ele mostrou incomodo com o que havia dito.

–Então lê meus romances?

–Nem os conhecia. Minha mãe lê. Mas confesso estar lendo agora.

–E o que acha deles? –Por um acaso vi interesse em minha resposta em seus olhos cor de ocre?

–Bem escritos, mas parece que sempre caminham para um final trágico.

–São perfeitos não?

–Bem Edward, tenho preferência por finais felizes.

–Ah uma garota cujas crenças são baseadas em contos de fada! Patético! –Fez menção de acender um novo cigarro. Abismada, para não dizer irritada, com seu comportamento levantei-me.

–Aonde vai Bella?

–Não vou ficar ouvindo ofensas! Vou para casa!

–Vai me abandonar em nosso primeiro encontro? –“Encontro”? Ouvir aquilo atingiu minhas pernas ao ponto de não me mover. Então estávamos tendo um encontro? –Se faz tanta questão de ir para casa vá, ao menos me deixe levá-la. –Eu deveria dizer não, mas quando dei por mim já estava no estacionamento adentrando seu belo carro.

–Onde mora?

–Na Rua Manson, número 23. –Falei timidamente vendo-o de esguelha. Dirigia com graça. Que vontade de tocar naquelas mãos, naqueles cabelos...

–Então... Está aborrecida comigo?

–Por que a pergunta?

–Porque não tivemos exatamente um encontro. Parecia mais uma briga. –Ele dizia parecendo achar divertida a situação. E eu ainda não sabia exatamente o que estava acontecendo a minha volta. Eu estava ao lado de um homem belo, inteligente e sedutor. Não sabia como agir! Nunca tive namorados, nunca fui sequer beijada! Apenas com Jacob senti vontade de ter meus lábios tocados por outro, mas agora me sentia perdida. A mesma idéia que outrora tive com Jacob estava tendo com Edward. Ao chegar até minha rua indiquei minha casa, ele estacionou.

–Bela casa.

–Obrigada. Então... –Eu o olhei. Esperava por algo, mesmo não querendo admitir.

–Não vai sair do carro? –Ele falou.

–Alguém já lhe disse o quanto é grosso, SENHOR Cullen?

–Confesso que é a primeira... PIRRALHA!

–ORA SEU... –Não pronunciei mais nada. Logo os lábios macios e adocicados de Edward cobriram os meus. Ao tentar dizer-lhe algo abrindo parcialmente os lábios eu o senti aprofundar o beijo com sua língua. Entreguei-me passado o susto aquele êxtase de beijá-lo. Meu primeiro beijo de um jeito tão intenso que temi ser envolvida pelo prazer do momento e acabar entregando aquele desconhecido muito mais do que a satisfação de ser o possuidor de meus lábios. Então os pensamentos, a racionalidade atingiu-me: Por que estava sendo beijada por ele?
Para o inferno os questionamentos!
Edward deixou meus lábios olhando-me, seus olhos me queimavam e me deixava desejosa de mais e mais daquele homem.

–Melhor ir Bella. A propósito adorei a brincadeira. –Ele disse enquanto deixava o carro. Fiquei atônita com o comentário. Logo mais, seu carro seguiu e eu senti um misto de raiva e paixão enlouquecedoras! Edward Cullen... Por que tinha a impressão que este nome fora marcado como ferro em meu ser?

3 comentários:

Jannáyra Menezes disse...

Kkkkkk esse edward...

tete disse...

gostei

tete disse...

amei essa estoria e muito linda espero anciosa por mais um capitulo beijos

Postar um comentário

Deixe aqui o seu comentário sobre o post: