FANFIC - QUANDO MENOS SE ESPERA - CAPÍTULO 31

Olá Amores!!! Hoje vamos curtir o 31° capítulo de "Quando Menos Se Espera". Quer acompanhar a história desde o início?Clique aqui.


A fresta de luz que atravessou a escuridão não iluminava muito e não conseguia ver muito dele, e ele se escondeu mais nas sombras para evitar que eu o visse.


- O que faz aqui menina? ele rosnou e me encolhi, eu não devia ter subido.


- Eu sinto...

- Saia imediatamente. grunhiu, desesperada praticamente corri para fora da sala, mas em minha pressa tropecei em um tapete e antes que caísse no chão, braços fortes me rodearam e o calor do corpo alto e forte me envolveu completamente, arfei abrindo os olhos que nem notara que havia fechado e olhei para o meu salvador, não pude deixar de ofegar ao ver seus olhos de um ver profundo penetrantes me encarando.


- O obrigada... muito lentamente ele me ergueu me colocando em pé, mas suas mãos grandes ainda estavam sobre mim, exceto por seus olhos penetrantes, eu pouco via dele, ele se moveu para mais perto de mim. Ofeguei quando a luz que vinha da fresta da janela pegou do lado de seu rosto, uma fina cicatriz cruzava seu rosto, começando sobre a sobrancelha e indo por toda sua bochecha.


- Você não devia estar aqui.


Edward estava conformado com sua nova vida, uma vida de solidão, sem família, sem amigos, sem amor. Uma vida de clausura que ele impôs a si mesmo, se escondendo do mundo, se escondendo de si mesmo. Mas quando ele menos esperou ela surgiu em sua vida, trazendo tudo que ele achou que nunca mais teria. Pois é quando menos se espera que as coisas boas vem, basta esperar para ver.


Autora : Paula Halle
Classificação: +18
Gêneros: Hentai, Romance
Avisos: Heterossexualidade, Nudez, Sexo




31. Eu não esperava, que acabasse assim, mas é o final perfeito.



Pov. Esme


Olhei a mesa de metal com um aperto no coração, nunca me imaginei numa situação dessas. Meu menino preso, e ainda mais por algo tão feio, senti um aperto na mão e olhei Carlisle.


– Você está bem Esme?


– Não. – ele suspirou.


– Vai dar tudo certo querida.


– Eu não tenho certeza Carl, nosso menino fez tantas coisas erradas.


– Sim, mas estaremos aqui para ele. – concordei, mas não sabia como poderíamos ajudá-lo. Eu o amo, mas também amo Edward como meu filho, não sabia o que fazer com essa situação, não entendia nem por que Jasper fazia isso.


Finalmente a porta se abriu, e um policial trouxe Jasper algemado, meus olhos se encheram de lagrimas, ele baixou os olhos quando foi forçado a sentar na cadeira em frente a nós.


O guarda ficou no canto na pequena sala, vigiando Jasper, suas mãos estavam sobre a mesa, e coloquei as mãos sobre as suas, mas ele as afastou.


– Jasper...


– O que vieram fazer aqui? – resmungou, ainda evitando nos olhar.


– Viemos vê-lo filho. – Carlisle sussurrou e ele finalmente nos olhou, era fácil ver seu ódio por seu pai e por mim.


– Agora eu sou seu filho? Achei que Edward fosse seu filho.


– Jasper não seja assim. Amamos vocês dois. – ele negou.


– Não, Alice me disse, vocês só amam Edward, preferem ele a mim.


– Jasper isso não é verdade, amamos vocês dois. – ele me olhou.


– Mentirosa, desde que Edward chegou a nossa casa, você o preferiu a mim, não minta pra mim, eu sei a verdade.


– Não, claro que não Jasper. O amamos igualmente.


– Não, não, Alice me disse a verdade.


– Jasper, essa mulher só conta mentiras, ela usou você. Nunca deixamos de amá-lo. – ele negou.


– Alice me ama, vocês só ama Edward, eu sei disso.


– Jasper não é assim... – tentei tocá-lo novamente, e ele se afastou bruscamente derrubando a cadeira.


– Não, vá embora e me deixe em paz.


– Jasper meu filho... – Carlisle tentou se aproximar, mas novamente ele se afastou indo para o policial.


– Estou pronto pra voltar a cela. – choraminguei olhando meu filho partir sem nem olhar para nós. Abracei Carl deixando minhas lagrimas finalmente saírem, ele afagou meu cabelo.


– Vai ficar tudo bem querida. – ergui o rosto o encarando.


– Como Carl? Ele não confia em nós, aquela mulher o fez ficar contra nós. – ele suspirou e me apertou contra seu peito.


– Daremos um jeito. Não desistiremos do nosso filho. De nenhum deles, mesmo Edward. – forcei um sorriso.


– Será que Edward nos perdoara?


– Ele vai querida, não se preocupe. Vamos embora.


– E Jasper?


– Vamos ajudá-lo como pudermos, advogados, algum medico para mostrar a ele que nunca fomos seus inimigos. É triste admitir, mas falhamos com o nosso menino, de alguma forma não demonstramos como ele é importante para nós, mas faremos o certo por ele agora.


Forcei um sorriso assentindo o deixando me levar para fora do presídio. Nossa vida estava um caos e não fazia ideia do que devia fazer, Jasper preso, Edward com certeza nos odiava, minha família desmoronava diante dos meus olhos, e não havia nada que pudesse fazer, e tudo por culpa daquela mulher infeliz.


Esperava que ela apodrecesse na cadeia.


Pov. Bella


Me despedi de Seth ao sair de seu carro e fui para casa, Edward iria ao escritório e depois iria ver o psicólogo que Rosalie arranjou para ele. Fazia só duas semanas desde que ele resolveu ter a ajuda de alguém. Hoje era só a sua segunda sessão, e estava fazendo bem a ele, as vezes alguém de fora da situação ajudava mais do que quem estava bem no meio.


Entrei em casa e almocei com meus pais, me troquei e fui cuidar do jardim, eu havia relaxado nessa tarefa desde que comecei a ficar com Edward, mas resolvi voltar, afinal eu havia prometido que faria isso.


Ao terminar fui para o quarto de Edward, nosso quarto, na verdade e retirei as roupas e fui tomar um banho, vesti minha calcinha e deitei na cama enorme de Edward, nossa cama. Era difícil acostumar que dividíamos o quarto agora. Sorrindo me espreguicei na cama e peguei um livro no criado mudo ao lado, comecei a folhear as paginas tentando lembrar onde parei, quando vi a porta abrindo, sorri ao ver Edward.


– Edward.


– Oi linda.


– Chegou cedo.


– Eu queria chegar logo em casa.


– Está tudo bem? – ele veio até a cama deitando sobre mim.


– Tudo, só senti sua falta. – sorri o abraçando pelos ombros.


– Isso é bom. Senti sua falta também, como foi hoje? – ele deu de ombros.


– Foi bom. Er... – ele evitou meus olhos e peguei seu rosto com minhas mãos o fazendo me olhar.


– O que houve?


– Esme ligou hoje.


– Oh, e como foi? – desde o acidente que não falávamos sobre os tios de Edward, sabia que ele sentiu falta de Esme e Carlisle, mas achávamos que por causa de Jasper, eles não queriam mais contato conosco.


– Foi bem, ela... ela gostaria de vir aqui.


– Isso é ótimo Edward, quando eles vêm?


– Na verdade, eu disse que falaria com você primeiro.


– Eu?


– Bem, foi você quem Jasper machucou, não tinha certeza se os queria em sua vida. – sorri puxando seu rosto para o meu beijando seus lábios, ele gemeu contra minha boca, e o afastei passando os polegares na suas bochechas.


– Edward, eu sei o quanto ama Esme e Carlisle, eu não os culpo pelo que aconteceu, eles não são culpados pelas ações de Jasper.


– Você é muito boa. – dei de ombros.


– Eu realmente gosto de Esme, não me incomodo dela querer fazer parte da nossa vida.


– Isso é bom. Eu amo Esme e Carlisle, e apesar de tudo, não tê-los em minha vida, realmente me incomodava.


– Eu sei, e estou feliz que ela não ter nos afastado.


– Também.


– E como foi no medico?


– Tudo bem, nós falamos a maior parte, é bom.


– Que bom, estou feliz que você está tentando melhorar, mesmo não precisando disso, pois pra mim você é incrível. – ele sorriu e ficou de joelhos entre as minhas pernas e começou a desfazer suas roupas.


– Fico feliz que pensa assim.


– Eu penso. O que está fazendo? – ele havia se levantado e tirava as calças.


– Hmmm, você não acha que eu vou ficar vestido quando você está na minha frente usando somente uma calcinha né? – ri e comecei a tirar a calcinha.


– Hey eu não estou reclamando, só estava perguntando. – joguei a calcinha na cara dele que gemeu voltando para a cama e abrindo minhas pernas e ficando entre elas.


Sua boca encontrou minha boceta me fazendo gemer como sua língua pressionou contra meu clitóris, rebolei em seu rosto arqueando meu corpo contra sua boca. Suas mãos afastaram minhas coxas enterrando mais seu rosto entre minhas pernas.


– Merda... não pare... – Edward gemeu chupando mais forte minha entrada, empurrou dois dedos em minha boceta me fodendo sem deixar de chupar e mordiscar meu clitóris.


Meu corpo tremeu quando o orgasmo veio com força fazendo meu corpo pulsar, Edward retirou os dedos lambendo meu gozo me deixando em chamas, minha boceta parecia dar choques de prazer.


– Edward... – grunhi e ele retirou o rosto de entre as minhas pernas lambendo os lábios, ele ficou sobre meu corpo, seu pau duro entre as minhas coxas, só me fez gemer mais.


– Você está uma delicia. – rosnou passando as mãos por meus seios, arfei quando ele beliscou meus mamilos, levei a mão até seu pau o agarrando e levando para minha boceta.


– Camisinha. – ele grunhiu e gemi o empurrando para a cama, ele caiu de costas me encarando.


Montei sobre ele e peguei uma camisinha no criado mudo ao lado da cama e rasguei a embalagem, lambi seu pau chupando a ponta, Edward gemeu alto jogando a cabeça para trás, dei mais algumas lambidas em seu cumprimento, deslizei a camisinha no seu pau, e montei nele, Edward agarrou minha cintura me ajudando a sentar em seu pau.


– Porra...


– Sim... – gememos conforme seu pau deslizava para dentro de mim.


Seu membro pulsava enquanto se enterrava cada vez mais em mim, até ficar atolado, gemi me sentindo preenchida, as mãos de Edward deslizaram por minha bunda a apertando, arfei quando ele me ergueu e me puxou de volta contra seu pau se enterrando em mim.


– Oh meu...


– Fodidamente apertado. – ele grunhiu empurrando mais fundo dentro de mim.


Cravei as unhas em seu peito rebolando com força, ele gemeu aumentando a força das suas investidas, meu corpo quicava sobre o dele, meus gemidos eram gritos, e não estava nem ligando se alguém podia ouvir.


As mãos de Edward subiram para meus seios beliscando os mamilos, gritei rebolando em cima dele, nossos corpos suavam, nossos gemidos se misturavam, minha boceta pulsava ao redor do seu pau, Edward grunhiu empurrando seu pau com força dentro de mim batendo em um ponto que me fez ofegar. Eu vim com força sobre ele, meu corpo tremendo no prazer.


Ele gemeu conforme minha boceta mordia seu pau, e senti seu gozo preenchendo a camisinha, meu corpo caiu sobre o dele e os abraçamos ofegantes sorri beijando seu peito nu, ele grunhiu me apertando mais forte.


Suas mãos deslizaram pelo meu corpo acariciando minha pele, quando suas mãos chegaram a minha bunda ele deu um apertão me fazendo rir, me ergui sentando sobre ele e deixei ele deslizar para fora de mim.


– Precisamos de um banho?


– Hmmm, isso seria ótimo. E talvez um round 2. – ele moveu as sobrancelhas sugestivamente e ri.


– Eu criei um monstro. – ele riu saindo da cama e me pegando no colo e correndo para o banheiro, ri agarrando seu pescoço.


– Só estou indo na sua onda. – piscou entrando no banheiro, o abracei apertado.


– Você era mais comportadinho antes. Mas eu gosto do seu lado safado.


– Ele só sai com você.


– Melhor ainda.


Edward me colocou sobre a pia do banheiro e foi encher a banheira, assim que estava cheia voltou para mim me abraçando e beijando, gemi contra sua boca o abraçando com os braços e as pernas, ele grunhiu me levando para a banheira e mergulhou comigo, sentei em seu colo com uma perna de cada lado, ele me abraçou me apertando contra seu peito e suspirei passando as mãos por seu corpo.


– Acho melhor só tomarmos banho, eu ainda não tomei a pílula e estamos sem camisinha. – ele gemeu.


– Não se faz isso com um homem Bella.


– Fazer o que?


– Sentar nua e molhada em cima dele, e dizer que não podemos fazer sexo.


– O que há com você? – ri dando beijos em seu pescoço, suas mãos em minha bunda a apertando.


– O que quer dizer?


– Você se parece... comigo. – ele riu.


– Acho que estou retornando ao meu antigo eu.


– E seu antigo eu era um safado?


– Basicamente. – mordisquei seu lábio inferior, o fazendo gemer.


– Eu gosto do novo Edward. – movi as sobrancelhas me esfregando no seu colo seu pau começou a crescer entre minhas pernas e o massageei.


– Eu sei que gosta minha menina safada. – rosnou colocando a mão entre minhas pernas e acariciando meu clitóris, arfei acariciando suas bolas e ele gemeu nos levantando da água e indo para o quarto, arfei quando ele me jogou na cama, e pegou outra camisinha embrulhando seu pau.


Seu corpo veio para cima do meu empurrando seu pau dentro de mim com força, gemi alto agarrando seus ombros, ele enterrou o rosto entre meus peitos lambendo e chupando meus seios, enquanto seu pau me fodia com força.


Meu corpo pulsava e parecia dar choques de prazer, arranhei suas costas movendo meu corpo de encontro ao dele, seguindo seus impulsos, suas investidas cada vez mais forte me faziam levantar da cama.


– Edward...


Ele grunhiu subindo a boca até a minha me beijando com força, arfei quando sua língua se enroscou na minha, devorando a minha boca, sem nunca deixar de bombear dentro de mim.


Edward levou a mão entre nós provocando meu clitóris, empurrando seu pau bem fundo em mim, meu corpo convulsionou levantando da cama, quando vim, minha boceta pulsando ordenhando seu pau o fazendo gozar em seguida.


– Merda! Isso foi bom. – ele gemeu e assenti abraçando ele, ele me encarou beijando meus lábios rapidamente.


– Foi muito bom.


– Então acho que precisamos de outro banho.


– Uma ducha dessa vez.


– Ok, podemos tomar uma ducha.


– E mantenha suas mãos pra si mesmo.


– Bella…


– Nem comece. Precisamos descer ou meus pais vão achar que você me matou aqui, depois dos gritos que devo ter dado. – Edward arregalou os olhos.


Ri o abraçando apertado, ele podia ser o Edward de antes safado, mas ele ainda era o meu Edward tímido e um pouco fechado. E eu gostava que ele ainda era assim, pois foi por esse Edward que me apaixonei.


[...]


Edward sorriu quando Esme saiu do carro e veio até ele o abraçando, Carlisle sorriu e me abraçou.


– Obrigada Bella. – ele sussurrou me soltando.


– Estou feliz que vocês vieram.


– Como você está querido? – Esme segurou o rosto de Edward dando beijos em suas bochechas.


– Estou bem Esme.


– Que bom, eu... está realmente indo a um medico?


– Sim, eu precisava de alguém pra falar. Está me fazendo muito bem.


– Isso é ótimo. Eu e Carlisle estamos felizes que você ainda nos quer na sua vida.


– Esme, você é minha mãe, eu nunca a afastaria. – ela fungou e o abraçou apertado.


– Você é meu filho Edward, eu nunca o afastaria. Jasper cometeu muitos erros, e só lamento que eu não pude ajudá-lo a ver que eu sempre amei vocês dois igualmente.


– Eu sei Esme, não a culpo pelo que aconteceu. Jasper é seu filho, e entendo que talvez você queira ficar do lado dele.


– Nós vamos ajudá-lo, mas sabemos reconhecer os erros do nosso filho. Não gostamos, mas entendemos, e você ainda é nosso filho também Edward, e o amamos do mesmo jeito.


– Obrigada Carlisle.


– Vamos entrar, mamãe fez um grande almoço. – chamei e fui abraçar Esme, enquanto Edward abraçou Carlisle, e entramos.


Eles cumprimentaram meus pais, e fomos almoçar, o almoço foi fácil e o tempo passou rapidamente, foi bom ver Edward se dando bem com seus tios, mesmo que ele não admitisse, ele sentia falta deles, e mesmo eu odiando Jasper, eu nunca afastaria Carlisle e Esme da vida de Edward, por capricho.


Depois do almoço todos se juntaram na sala para conversar, sentei no colo de Edward assistindo todos conversarem, daqui pra frente as coisas iriam ser melhores. Pelo que Edward disse, Jasper e Alice teriam muitos anos de cadeia, por roubo, sequestro e tentativa de assassinato, cometeram tantos crimes somente para prejudicar Edward, e no final os únicos prejudicados foram eles mesmos. É triste o que a ganância e o ciúmes podem fazer.


Jasper nunca entendeu que seus pais podiam amar Edward tanto quanto o amavam, e isso só o trouxe ruína, e Alice, usou Jasper para ganhar dinheiro, se aproveitando tanto de Edward quanto de Jasper. Jasper era tão vitima quanto Edward, mas ele se deixou levar por sentimentos ruins que o afastaram de todas as pessoas que realmente amavam e se importavam com ele.


Agora ele teria que pagar por suas más escolhas, só esperava que esse tempo na cadeia o fizesse enxergar a verdade, sobre Edward, seus pais, e principalmente Alice. Ou ele seria sempre sozinho.


Edward beijou minha bochecha me fazendo suspirar, virei para ele encostando a testa na sua.


– Tudo bem?


– Claro, só pensando.


– No que?


– Em tudo. Aconteceu tanta coisa desde que nos conhecemos, né?


– Sim. Mas foram coisas boas, teve ruins, mas todas valeram a pena para ter você na minha vida.


– Bom que pensa assim. Então o que faremos agora?


– Como assim?


– Não tem mais ninguém tentando te matar, você não se esconde mais em casa, e ta se tratando pra aprender que você é lindo, coisa que eu já sabia. O que resta pra fazer?


– Hmmm, casar?


– Quer casar comigo?


– Claro. – suspirei.


– Eu gostaria disso. E quando vamos casar.


– Quando for mais velha.


– Mais velha? Mas eu já tenho quase 18. – ele riu.


– Bella, você acabou de fazer 17. Não quer esperar um pouco. Sabe terminar a escola, ou a faculdade.


– Você vai esperar por mim?


– Esperaria você para sempre. – praticamente me derreti com essa.


– Ok, podemos esperar. Mas só até acabar a escola, por que esperar até eu acabar a faculdade vai demorar muitoooo.


– Quando você menos se espera passa.


– Sei não.


– Verdade. Eu achava que ia viver na minha biblioteca sozinho até morrer, mas olha pra mim agora.


– Tem uma garotinha sentada no seu colo, que feio Sr. Masen. – ele me cutucou na costela me fazendo rir.


– Se comporte. Mas eu falo sério Bella, quando menos se espera as coisas vem. Olha só para nós.


– Bem vendo por esse lado. Mas eu ainda quero casar quando acabar a escola. Pode começar a planejar o grande pedido e comprar um anel lindo de morrer. – ele beijou meus lábios rapidamente.


– Tenho que planejar tudo isso?


– Claro, já que eu vou planejar uma noite de sexo super quente e selvagem pra comemorar o nosso noivado. – movi as sobrancelhas o fazendo gemer.


– To começando a pensar que devia pedir em casamento antes já que é assim.


– Mas não tem o anel.


– Quem disse que não. – sorri mordendo o lábio.


– Hmmm, sério?


– Sério. Eu não me vejo com nenhuma outra mulher alem de você Bella, quero passar o resto da minha vida com você. – toquei seu rosto beijando seus lábios.


– Quero passar minha vida com você também.


– Tem certeza? Você é tão nova, tem tanto pra viver ainda.


– Eu realmente sou nova, e tenho muito pra viver. Mas a única maneira que imagino vivendo tudo é com você.


– Bom, amo você.


– Te amo também.


Nossa família chamou nossa atenção e sorrimos prestando atenção neles, mas minha mente estava em Edward. Ele tinha razão quando menos se espera as coisas acontecem. Eu nunca esperava me apaixonar por alguém como Edward, mas eu era louca por ele, ele é todo o meu mundo.


O amor pode estar onde a gente menos espera, na pessoa ao seu lado, ou na pessoa que você nunca se imaginou ser apaixonada, pode ser mais velho, mais jovem, mas o que realmente importa é que quando o amor vem, se ele é verdadeiro, você deve aceitar e fazer de tudo pra mostrar pra pessoa amada o quanto ela é especial.


Edward sempre me mostra o quanto me ama, e quanto eu sou importante para ele, e vou ter certeza de passar o resto da minha vida mostrando pra ele que ele é tudo para mim.


Eu não esperava, que acabasse assim, mas é o final perfeito.




Continua..




Ps : aiiaiai QMSE em clima de despedida :/ Mais uma linda história que nos encantou mas é isso.. Capítulo final e amanhã epílogo.. esperamos que tenham curtido esses últimos momentos.. Bjs e té mais nos coments





2 comentários:

Françoise Rodrigues disse...

nao quero q acaba...kakak... eu gosto mto dessa fic1!!! <3

tete disse...

amei ja estou triste porque esta acabando foi linda uma estoria maravilhosa eles sao vou sentir saudades beijos e uma otima noite para vce

Postar um comentário

Deixe aqui o seu comentário sobre o post: