FANFIC - QUANDO MENOS SE ESPERA - CAPÍTULO 15

Olá Amores!!! Hoje vamos curtir o 15° capítulo de "Quando Menos Se Espera". Quer acompanhar a história desde o início?Clique aqui.


A fresta de luz que atravessou a escuridão não iluminava muito e não conseguia ver muito dele, e ele se escondeu mais nas sombras para evitar que eu o visse.


- O que faz aqui menina? ele rosnou e me encolhi, eu não devia ter subido.


- Eu sinto...


- Saia imediatamente. grunhiu, desesperada praticamente corri para fora da sala, mas em minha pressa tropecei em um tapete e antes que caísse no chão, braços fortes me rodearam e o calor do corpo alto e forte me envolveu completamente, arfei abrindo os olhos que nem notara que havia fechado e olhei para o meu salvador, não pude deixar de ofegar ao ver seus olhos de um ver profundo penetrantes me encarando.


- O obrigada... muito lentamente ele me ergueu me colocando em pé, mas suas mãos grandes ainda estavam sobre mim, exceto por seus olhos penetrantes, eu pouco via dele, ele se moveu para mais perto de mim. Ofeguei quando a luz que vinha da fresta da janela pegou do lado de seu rosto, uma fina cicatriz cruzava seu rosto, começando sobre a sobrancelha e indo por toda sua bochecha.


- Você não devia estar aqui.


Edward estava conformado com sua nova vida, uma vida de solidão, sem família, sem amigos, sem amor. Uma vida de clausura que ele impôs a si mesmo, se escondendo do mundo, se escondendo de si mesmo. Mas quando ele menos esperou ela surgiu em sua vida, trazendo tudo que ele achou que nunca mais teria. Pois é quando menos se espera que as coisas boas vem, basta esperar para ver.


Autora : Paula Halle
Classificação: +18
Gêneros: Hentai, Romance
Avisos: Heterossexualidade, Nudez, Sexo





15. Eu não esperava que voltar acabasse sendo tão fácil.



Pov. Edward


Respirei fundo, uma, duas, três vezes.

Vamos Edward você pode fazer isso. Não é tão difícil.

Me olhei no espelho e empurrei meu cabelo para trás, desci a mão tocando minha cicatriz e acabei rindo.

Como Bella disse, eu parecia um pirata. Ri mais.

Só minha menina para me fazer rir de algo que me incomodou por tanto tempo. Mas já era tempo de deixar o passado para trás.

Todo ele, inclusive Alice.

Ela era uma sombra em minha vida, mas já estava na hora de deixar o sol entrar e apagar qualquer vestígio de Alice que houvesse em mim.
Houve uma batida na porta, e me virei murmurando um “entre”, enquanto terminava de ajeitar a gravata.

– Sr. Masen... Oh Meu... – sorrindo me virei para Renée que me olhava com a boca aberta.

– Bom dia Renée.

– Sr. Masen... er... – me virei totalmente vendo que ela carregava uma bandeja e a ajudei tirando de sua mão, felizmente ela não deixou cair dessa vez.

– Está tudo bem Renée? Obrigada pelo café.

– Sim... er... o senhor vai sair?

– Sim. Estou bem? – coloquei a bandeja sobre a mesa ao lado da cama e fiz um gesto para meu terno.

– Sim, sim... onde vai?

– Na empresa. Eu demiti Jasper.

– Nossa. Por quê? Quer dizer se o senhor não quiser dizer... – se apressou em falar e neguei.

– Está tudo bem Renée. Eu percebi que ele não era quem eu pensava. – suas bochechas se avermelharam um pouco, e vi muito de Bella nela. Com certeza ela devia estar pensando no que Bella me disse que Charlie ouviu.

– Hmmm, isso é bom, não é bom ter pessoas que não confia a sua volta.

– Exatamente. Infelizmente eu terei que ir a empresa até achar um substituto, Carlisle não quer assumir a presidência.

– Mas se você vai voltar por que não assume logo de uma vez? – falou corando novamente.

Sorri, embora os Swan estivessem comigo a tanto tempo, eles não se intrometiam na minha vida, eles sempre respeitaram meu espaço, assim como eu respeitei o deles. Mas eu sempre os considerei como minha família. Peguei a mão de Renée.

– Você acha que eu deveria voltar? – ela piscou um pouco confusa, mas sorriu em seguida colocando sua outra mão sobre a minha.

– Eu acho Edward. Eu sei que você passou por muita coisa, mas já faz tanto tempo, é hora de retomar sua vida.

– Você e Charlie sempre foram muito bons pra mim Renée. – ela riu.

– Você confiou em nós, e nos manteve aqui por todo esse tempo, devemos muito a você. – neguei.

– Eu devo a vocês. Deixaram sua vida para trás por mim, eu sempre serei grato por isso. – ela começou a negar, mas a parei. – Não se preocupe com isso agora Renée. Então, como estou, será que vão reparar? – ela olhou para minha cicatriz e bufou.

– Edward não seja bobo, você está ótimo, a cicatriz dá até um charme. – ri.

– Obrigada Renée.

– Mas eu tenho algo para ajudar, tome seu café eu já volto. – ela saiu correndo do quarto e me sentei na beirada da cama tomando o café que ela trouxe.

Olhei para os lençóis bagunçados e sorri. Minha doce e espevitada Bella, desde que ela chegou à mansão eu não conseguia tirar os meus olhos dela.

Ainda lembro quando a vi chegar com Charlie, seu sorriso, sua alegria pelo reencontro com os pais. Me senti mal por afastar seus pais dela, então queria que ela fosse feliz aqui. Convenci Renée a decorar um quarto para ela, e comprar tudo que ela pudesse precisar. Era pouco por tê-la afastado dos seus pais por tanto tempo, mas era o mínimo que podia fazer no momento.

Claro que eu queria fazer mais, mas o que mais poderia fazer. No final das contas eu era somente o chefe de Renée e Charlie, então me mantive quieto no meu pequeno mundo escuro onde eu pertencia.

Mas o destino parecia ter outros planos para mim, e a escuridão não durou muito. Pois agora quando eu sentava na minha cadeira e observava o jardim, havia muito mais para ver, havia Bella. E conforme os dias passavam, eu ficava, mais e mais ansioso para vê-la, com seu sorriso bonito e cabelos bagunçados, claro seus pequenos shorts e blusinhas apertadas, eu sou definitivamente um velho tarado. A menina tinha idade para ser minha filha, mas eu não podia evitar desejá-la.

E quando ela entrou em minha biblioteca meu pânico só aumentou, e se eu a agarrasse, a machucasse? Eu era um homem afinal, e há anos não estava com uma mulher. Mas Bella ignorou todos os meus pedidos e avisos para se afastar, ela me fez desejá-la mais, me fez confiar novamente, derrubou todos os muros que construí em volta de mim, fez eu me apaixonar por ela, e agora eu não conseguia me imaginar longe dela.

– Aqui. – Renée entrou no quarto trazendo óculos escuros e sorri abertamente.

– Ótima ideia.

– Coloque, deixe-me ver como fica. – assenti colocando os óculos e fui me olhar no espelho, cobria boa parte da cicatriz, e só se ficassem me encarando muito veriam as minhas marcas.

– Ficou bom.

– Muito bom. – me virei para ela.

– Obrigada Renée. Peça a Charlie para separar um carro para mim.

– Vai dirigir?

– Sim. Eu preciso renovar a minha carta. Pedirei para alguém na empresa ver isso. Mas acho que não tem problema eu dirigir até a cidade.

– Vai à sede daqui mesmo?

– Sim, ela é a principal, você sabe como minha mãe gostava dessa casa. Então meu pai fez a sede principal em Palo Alto.

– Sempre achei que a sede principal fosse na Califórnia.

– É o que a maioria pensa.

– Então seu tio e primo ficam em Palo Alto?

– Na maior parte do tempo sim, mas a sede da Califórnia é importante também.

– Oh, então vai ter que ir a Califórnia?

– Eventualmente sim. Mas vou resolver os assuntos mais urgentes primeiro.

– Estou muito feliz por você Edward.

– Obrigada Renée.

– Eu vou descer e falar com Charlie para que ele prepare o carro.

– Obrigada. – ela assentiu e me deixou sozinho.

Esperava conseguir arrumar minha carteira ainda hoje, pois gostaria de levar Bella para passear comigo, talvez levá-la a um encontro, ainda não havíamos tido um, mas adoraria dar isso a ela.

Terminei de me arrumar e separar alguns documentos, assim que estava pronto desci indo direto para fora, onde Charlie já me esperava com um dos meus carros, fazia algum tempo que eu não dirigia.

Trocamos algumas palavras e ele me entregou as chaves, me despedi e entrei no carro. Segurei o volante com força olhando para frente.

Era isso, finalmente eu estava seguindo em frente.

Felizmente dirigir é como andar de bicicleta, nunca se esquece, assim que coloquei o carro em movimento foi como respirar, fluiu fácil, e parecia que nunca fiquei longe de um carro. Eu sempre fui um excelente motorista, e meu acidente sempre foi um borrão de confusão, mas graças aos céus eu não peguei nenhum trauma de dirigir.

Levei um pouco menos de uma hora para chegar a empresa, foi com familiaridade que dirigi pelo centro de Palo Alto, até a empresa que estava há anos na minha família. Estacionei o carro no estacionamento ao ar livre, e sai levando minha pasta, olhei para o imenso prédio espelhado com um sorriso nostálgico. Apesar de tudo, era bom voltar aqui. Entrei olhando tudo em volta, Carlisle havia me dito sobre as modernidades que haviam feito, deixando o prédio mais sofisticado e moderno, estava muito bonito realmente. Eu só via fotos que ele me mandava por fax, mas nunca realmente prestei atenção a elas.

Passei reto na frente do balcão de informações, indo direto ao elevador privativo, o único que somente eu usava. Devia ter até teia de aranhas. Sorri com meu pensamento, e quando olhei em volta notei que várias pessoas me encaravam.

Merda!

Digitei minha senha, as portas se abriram e entrei apressadamente, ao me virar para fechar as portas que me olhava com curiosidade antes, agora estava com a boca aberta. Deviam saber já quem eu era.

Apertei o botão do último andar, que era a sala presidencial, o bom do elevador privativo, é que não havia paradas, ia direto, então cheguei rapidamente, e antes da fofoca chegar até aqui. Mas na descida com certeza eu teria uma boa plateia.

Assim que as portas se abriram, sorri reconhecendo a sala do meu pai, o bom do elevador privativo é que ele abria direto na sala do presidente. Havia só mais duas salas nesse andar, a do vice-presidente e da secretária encarregada dos assuntos do presidente. Havia mais de uma é claro, mas a que ficava aqui era a que tinha acesso direto ao CEO. Entrei mais na sala, e reconheci Srta. Hale sentada na sua mesa, através da parede de vidro que separava a minha sala da dela. Dei uma batida no vidro e a vi levantar a cabeça e arregalar os olhos. Seus grandes olhos azuis estavam do tamanho de pratos, ri.

– Olá Rosalie.

– Sr. Masen?

– Em pessoa.

Ela se levantou, entrando na sala, e me encarando ainda estupefata. Rosalie era uma linda mulher, longo cabelo loiro, alta, com marcantes olhos azuis, tinha um pouco mais de 40, mas ainda estava deslumbrante. E foi minha secretária desde que entrei no lugar do meu pai. Na verdade ela já estava na empresa antes de mim, e sempre a vi como uma boa amiga e me ajudou muito no começo.

– O que faz aqui?

– Não soube de Jasper? – ela fez uma careta.

– Sim, mas... realmente não esperava vê-lo aqui. Imaginei que Carlisle assumiria.

– Ele não quer. – esfreguei a nuca. – Então eu tive que vir, e preciso arranjar alguém pra cuidar de tudo.

– Você já tem alguém em mente?

– Na verdade sim.

– Quem?

– Você. – ela engasgou.

– O que?

– Vamos lá Rosalie, todos sabem que você pode tomar conta de tudo se deixar. – ela sorriu presunçosamente.

– Você que está dizendo. – rolei os olhos e retirei os óculos, ela ficou me encarando, e contive a vontade de colocar os óculos novamente.

– O que?

– Estou tentando enxergar sua cicatriz. – rolei os olhos e ela riu. – Sério Edward, pensei que era pior, para você recusar o convite para o meu casamento. – grunhi, ela nunca me deixaria esquecer.

– Eu lhe envie um grande presente Rosalie.

– Era para você ser o padrinho.

– Eu sei. Eu só... – ela suspirou e me puxou para um abraço.

– Senti sua falta Edward. – me afastei a encarando.

– Sério? – ela riu.

– Ok, talvez não tanto.

– Ora, ora, olha quem voltou dos mortos e já está perseguindo minha esposa. Tcsi, tcsi, tcsi, muito feio Masen. – rindo soltei Rosalie e fui abraçar Emmett.

– Emmett.

– Caralho homem, eu mal acreditei quando as secretárias começaram a cacarejar sobre Edward Masen estar no prédio.

Fiz uma careta e ele riu e foi beijar Rosalie.

– A fofoca já correu o prédio todo?

– Oh sim, agora que o povo aprendeu a twittar, está tensa a coisa. – ri, não fazendo ideia do que ele estava falando, mas devia ser alguma coisa haver com internet, teria que pedir a Bella para me ensinar essas coisas.

– Hmmm, eu espero não ter problemas na hora que sair.

– Daremos um jeito se houver afobação. Agora me diga, o que faz aqui?

– Vim promover sua mulher. – ele arqueou uma das sobrancelhas.

– Sério?

– Sim, não vejo ninguém mais qualificada que Rosalie para assumir a presidência.

– Isso é verdade. Mas e Jasper, realmente demitiu o merdinha? – arquei uma sobrancelha e ele deu de ombros.

– Sim, ele falou algumas coisas que não gostei.

– Tipo? – olhei entre os dois, eu sabia que podia confiar em ambos, mas meu relacionamento com Bella era complicado, e não sabia se ela ficaria bem comigo contando para todos sobre nós.

– O que ele fez? Há cada boato cabeludo sobre ele.

– Que ele roubou a empresa. O que seria impossível, já que quem cuida das finanças sou eu.

– Bom, para nós, pois se ele fosse responsável, a empresa já teria afundado.

– E por que não soube disso?

– Seu tio costuma consertar as merdas que Jasper faz Edward. Mas ele é bom no que faz, que é mandar. Mas é muito arrogante, e prepotente. Eu tive que me segurar muito para não assassiná-lo com meu salto. – olhei para seus pés e estremeci, era um salto muito grande.

– Seria uma morte bem dolorosa.

– Eu sei meu bem, eu só não fiz em consideração a Esme.

– Ela não faz ideia do filho que tem. – murmurou Emmett e Rosalie bufou.

– Ela faz, mas é tudo que ela tem, então ela fecha os olhos. – Rosalie se virou pra mim. – Então o que ele fez?

– Hmmm... ele ofendeu minha namorada. – ela fez uma careta.

– Pelo amor de tudo que é sagrado, eu enfio meu salto na sua bunda Edward Masen, se você estiver com Alice. – dessa vez eu fiz uma careta.

– Que inferno Rosalie, claro que não.

– Graças a Deus. Então quem é a garota de sorte?

– Sabia que tinha que ser mulher, único motivo pra um homem acordar pra vida. Eu disse baby que devíamos ter levado uma prostituta para alegrar nosso Eddie. – Rosalie deu um tapa em Emmett que riu.

– Fica quieto Emmett. Vamos Edward me diga, quem é ela, e onde a conheceu já que vive enfurnado naquela casa.

– Ela...

– Puta merda! É a Renée não é?!

– Emmett, ela é casada!

– E? – ele ganhou outro tapa de Rosalie.

– Não é Renée, na verdade, é bem... é a filha dela. – os dois ficaram de boa aberta.

– Filha? Não sabia que eles tinham uma filha.

– Ela morava com os avós até algum tempo atrás.

– Entendo, e como Charlie e Renée estão lhe dando com você namorando a filha deles?

– Eles meio que não sabem. – Emmett riu.

– Isso ai cara, escondido é mais gostoso. – dessa vez ele escapou antes de levar um tapa.

– Emmett!

– O que, não lembra Rosie, o sexo nas salas de conferências escuras. – ele moveu as sobrancelhas e ela gemeu cobrindo o rosto.

– Por favor, eu não quero saber das fugas pervertidas de vocês.

– Que seja, então quando vai contar aos pais dela?

– Em breve, é só que é meio complicado.

– Por quê? – senti minhas orelhas esquentando.

– Ela meio que é menor de idade.

– Menor de idade quanto?

– 16.

– Porra, isso ai Edward pegando as ninfetinhas. – dessa vez ele ganhou um beliscão. – Inferno Rosie.

– Emmett, você está me tirando a paciência. E você Edward, 16? Honestamente?

– Eu... não é como se eu tivesse começado, foi ela. E merda! A menina me tira o juízo.

– Rosie você não pode julgar o Eddie aqui, já que você também gosta de uma criança. – ele moveu as sobrancelhas sugestivamente a fazendo bufar.

– Sim Emmett, você é uma eterna criança. – ele sorriu, acabei rindo, Emmett era 10 anos mais novos que Rosalie, mas ele não se importava nenhum pouco.

Na verdade ele teve muito trabalho para convencê-la a lhe dar uma chance. Já que na época ele tinha 20, e ela o considera um crianção, não que ele amadureceu com a idade, ele somente ficou mais alto e forte. Emmett sempre pareceu como um daquele halterofilista, alto e musculoso.

– Enfim, nós ainda estamos esperando para contar.

– Você vai ter um grande problema, Eddie.

– Eu sei, mas eu amo ela.

– Ow, espera ai, ama?

– Claro que sim Rosalie.

– Então isso é sério?

– Muito sério, eu vou me casar com essa menina. – eu tive certeza disso no dia em que estive dentro dela pela primeira vez.

Eu sabia que ela era a única pra mim, eu só esperava que ela sentisse o mesmo. Mas Bella só tinha 16, ela podia crescer e não querer ficar com um velho, só o pensamento de perdê-la me apertava o coração. Senti a mão de Emmett no meu braço e ele sorriu pra mim.

– Vai dar tudo certo Eddie. Olhe pra mim e minha Rosie. – Rosalie sorriu para ele.

– É, vai sim. Quero que vocês a conheçam.

– Não vejo a hora Eddie, qual o nome dela?

– Isabella, mas ela prefere Bella.

– Ah já gostei dela. – Rosalie rolou os olhos, Emmett gostava de dar apelidos para todos, ela e eu desistimos de fazer eles no chamar pelos nossos nomes, e aceitamos o Eddie e Rosie por bem.

– Agora eu preciso de uma ajuda. Claro, antes vou anunciar que Rosalie é a nova presidente.

– Que ajuda?

– Eu preciso renovar minha carta. E mês que vem eu quero fazer uma viagem rápida de fim de semana para a Califórnia, vou levar Bella comigo.

– Sobre a carta resolvemos pela internet. Já a viagem, você vai ter que ver com os seus sogros. – ele moveu as sobrancelhas e ganhou outro tapa de Rosalie.

– Obrigada Rosie.

– De nada Eddie. – ela riu e ele bufou.

– Cara é só você aparecer que eu fico apanhando, apanhei mais hoje do que em um ano.

– Dá pra ver quem manda na sua casa Emmett. – ele deu uma olhada em Rosalie e sorriu maliciosamente.

– Sorte dela que eu gosto de mulher mandona. – ela o ignorou e se voltou para mim.

– Então sobre a presidência, você vai aceitar Rosalie? – ela sorriu.

– Claro, vai ser uma honra saber que confia em mim assim.

– Claro que confio Rosalie. Sei como você sempre trabalhou e fez seu nome na empresa, eu devia ter dado antes pra você o cargo, mas achei que Jasper era a pessoa certa.

– Estou feliz que você viu a razão. – ela piscou e Emmett riu.

– Essa é minha mulher. Agora vamos resolver o seu problema da carta.

Agradeci enquanto fomos para minha sala, e Emmett começou a ver no computador como resolver meu problema. Rosalie se juntou a mim para me mostrar como a empresa estava indo, e ligamos para o advogado da empresa, para ajeitar a papelada para que Rosalie assumisse a sede de Palo Alto.

Eu pensei em voltar à empresa, mas eu preferia passar meu tempo com Bella. Então usaria as manhãs enquanto ela estava na escola, para estar no trabalho e o resto do meu tempo seria dela.

Eu não esperava que voltar acabasse sendo tão fácil.




Continua...




2 comentários:

tete disse...

muito legal amei agora sim tudo esta melhor na vida e edward beijos e uma otima noite para vce

LAV RIBEIRO disse...

foi muito bom ler o lado dele....

Postar um comentário

Deixe aqui o seu comentário sobre o post: