FANFIC - O CONTRATO - EXTRA 2

Olá Amores!!! Hoje vamos curtir o Extra 2 de "O Contrato". Quer acompanhar a história desde o início?Clique aqui.


Um plano mirabolante envolvendo uma jovem pura e um ambicioso empresário. Bella é envolvida em um esquema criado por Edward Cullen acreditando que o mesmo a ama, mas a realidade é muito diferente disso. Edward precisava casar para poder herdar a sua parte que lhe cabe na empresa do pai e, após seduzir Bella fazendo a mesma se casar com ele, mostra sua verdadeira face. Agora, casados, terão de enfrentar um casamento que é uma verdadeira farsa, mas será que Bella poderá transformar seu casamento em algo real e digno de conto de fadas?


Autora : Jacqueline Sampaio
Classificação: +18
Gêneros: Romance
Avisos: Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo




Extra 2: Sonho


Edward pov’s


Eu tinha 99% de certeza que vivia um sonho, pois, afinal de contas, minha última lembrança era ter dormido ao lado de minha esposa em nosso quarto. Sem contar que desde as mortes de Jasper e Alice eu não pisava na fazenda onde praticamente fui criado ao lado da minha irmã. Não que eu achasse o local amaldiçoado por ter sido frequentado por todos os meus parentes mortos, apenas evitava as lembranças felizes e o amargor trazido por elas. Eu não queria uma lembrança do quão miserável minha vida costumava ser ou poderia ficar caso eu perdesse meus bens mais preciosos: minha esposa e filhos.

Olhei envolta, notando que estava mais precisamente em um antigo campo onde brincávamos de jogar beiseball quando crianças. Uma neblina fantasmagórica encobria boa parte do campo, impedindo-me de ver muito além.

Enquanto pensava em como havia parado ali, senti algo bater na minha cabeça. Atordoado, olhei para o chão, encontrando uma bola de beiseball velha. Peguei aquela bola, reconhecendo-a de imediato. Era a bola antiga que Alice e eu usávamos em nossos jogos, autografada por um dos jogadores da liga americana preferidos de nosso pai.
–Dá para passar a bola ou está difícil? –Uma voz fina, memorável, disse atrás de mim. Virei-me ab-ruptamente, deparando-me com uma baixinha de cabelos escuros, espetados, trajando uma roupa de beiseball rosa.

Meu coração perdeu uma batida.

Lá estava ela, de pé, parecendo saudável e feliz. Quando a bola escapou da minha mão, indo ao solo, foi ela que se aproximou e juntou a bola. E enquanto eu a encarava, bestificado por ver alguém que jurei estar morta, ela continuou me encarando com diversão, esperando que eu me manifestasse.

–Impossível... –Murmurei abismado. Enquanto isso minha cabeça trabalhava a mil, relembrando o dia em que perdi de uma só vez o meu cunhado, Jasper, e minha única irmã... –Alice.

Ela sorriu, travessa, andando vagarosamente e rodeando-me.

–Você não mudou nada. Continua boa pinta. –Parou de frente para mim. E eu ali, estático, sem saber como lidar com aquele fato. O que era tudo aquilo afinal? Minha irmã estava morta! Como poderia ela estar de pé, sorridente, após ter sido vítima de um acidente letal de carro?

–Isso é um sonho. –Afirmei, percebendo então a estranheza dos fatos. Eu não me lembrava como cheguei até ali, o local parecia estranho demais aos meus olhos e minha irmã morta estar de pé diante de mim.

–Claro que sim seu cabeção! Não tenho vocação para assombrar ninguém, não bonita como eu sou! –Estufou o peito, caminhando como um pavão que exibia suas belas penas. Era tão Alice! Aquela era ela, talvez apenas uma imagem fabricada pelo meu subconsciente, nada mais.

–Mas o fato de ser um sonho não significa que eu não esteja aqui de fato. Fico feliz por este encontro maninho, pois eu precisava falar com você. –Sentou-se no gramado, úmido graças à temperatura que parecia ser baixa. Estranhamente eu não sentia frio, muito embora estivesse apenas de camisa e calça de moletom. Sentei ao seu lado, sem conseguir encará-la. Olhei para frente, onde não se podia ver muita coisa graças à espessa neblina.

–O que quer conversar? –Perguntei, tentando conter toda a agitação que ameaçava me engolir. Eu não queria bancar o racional e analisar o que acontecia ao meu redor. Era mais fácil levar tudo na esportiva.

–Tenho observado você e a sua família. Fico feliz que tudo esteja bem. A Bella está muito feliz e os pimpolhos crescem felizes e saudáveis. E definitivamente não estou possuindo sua filha. –Ela bufou audivelmente. –Ela não odeia você. Se às vezes está emburrada quando você se aproxima é por que ela está com raiva.

–Raiva? Por quê? –Perguntei curioso. Minha filha Alice, com dois aninhos, sempre foi o oposto do irmão Jasper. Enquanto meu filho era bastante carinhoso comigo, Alice parecia sempre aborrecida quando eu estava por perto, preferindo ficar mais com minha mulher a ficar comigo.

–Ela o ama demais e fica aborrecida por que você não passa muito tempo com ela. Por isso age daquela forma. –Alice deu um forte tapa na minha nuca. –Seu idiota!

Um vento forte nos atingiu, mas nada conseguia dissipar a nevoa que encobria a fazenda. Enquanto o tempo passava e a letargia pelos fatos ocorridos desaparecia, eu percebia que, sendo sonho ou não, era a minha irmã ali ao lado. Ao invés de abraça-la como eu queria e dizer tudo o que mantive guardado desde a sua morte, eu coloquei minha cabeça nos joelhos e chorei como uma criança.

Alice não me repreendeu ou gracejou pelo meu ato. Ao invés disso, acariciou meus cabelos com uma mão, tentando me confortar. Passamos longos minutos dessa forma, até ela sentir a necessidade de dizer algo.

–As coisas aconteceram do jeito que estava previsto.

–Eu não gostei desse rumo. Queria todos vocês de volta. Eu os amo. –Pedi como uma criança birrenta a minha irmã, mesmo sabendo que ela nada poderia fazer. Alice passou a afagar minhas costas e pelo silencio em que se encontrava escolhia bem as palavras que diria. Ela, como imaginei, não me decepcionou.

–Também amamos você irmão! Mas todos nós temos uma missão aqui e vivemos para ela. Quando essa missão é cumprida chega a hora de partirmos. Não me sinto triste por ter partido, não mais. Agora eu entendo por que isso aconteceu e aceito. Você também deveria aceitar. Deveria deixar de lado toda essa angustia que o atormenta e o impede inclusive de gozar dos prazeres que a vida quer proporcionar a você. Sei que evita os locais onde vivemos boas recordações e eu quero que evite isso o quanto puder. –A pequenina mão parou de acariciar minhas costas e senti Alice se levantar.

–E você deveria dar atenção a coisas muito mais importantes! –Esbravejou subitamente, socando-me do ombro enquanto eu me levantava do gramado úmido. O bom humor de minha irmã era contagiante e logo minhas lágrimas e a dor em meu peito desapareceram.

–Que coisas seriam essas, baixinha? –Zombei dela, vendo o rostinho bonito crispar-se em irritação. Tão logo Alice se recuperou eu a vi sorrir de um jeito misterioso, como se estivesse me escondendo algo.

–Como sua mulher. Nesse momento ela está precisando de uma força e você acordará em 5... 4... 3... 2... 1... E mais uma coisa...

Eu acordei.

A desorientação me manteve na cama por alguns minutos, até eu perceber que sonhara até então. Tateei a cama, não encontrando minha esposa. A luz do toalete estava ligada e rumei para lá, estacando ao vê-la ajoelhada diante do vaso sanitário enquanto vomitava. Me apressei em acudi-la, aflito por vê-la naquele estado. Desde que perdi todos os meus parentes tenho sido muito protetor com minha esposa e filhos, beirando a obsessão.

–Meu amor, o que houve? O que está sentindo? –Segurei seus cabelos gentilmente com uma mão enquanto com a outra afagava suas costas. Bella parecia esperar para se recompor, respirando pausadamente.

–Não sei querido. Ando sentindo enjoos. –Confessou, permitindo que eu a aconchegasse em meus braços para levantá-la e leva-la a cama. E quando Bella disse isso, lembrei do que Alice, em meu sonho, dissera antes de tudo se dissipar...

“... desta vez o nome dela será Reneesme Carlie.”.

Após deitar minha esposa, que parecia exausta, em nossa cama, cobrindo-a com o edredom, toquei seu ventre, sentindo algo que não poderia definir.

Eu sabia, e sentia, que tudo o que vivera minutos atrás não havia sido um sonho. Algo crescia no ventre daquela que eu amava, trazendo ainda mais felicidade para o nosso lar.

Enquanto sentia a garganta apertada, beijei o rosto sonolento de Isabella Cullen, pensando que, afinal, eu havia encontrado a verdadeira felicidade.



PS: Agora sim acabamos OC :'( e só temos a agradecer pelo carinho de vocês e a Jacqueline por nos dar a chance de postar essa linda história que ela escreveu. Encerramos mais uma e não para por aí ;) logo mais voltamos com nova programação de fics \o/ Esperamos que tenham curtido esse ultimo momento e até mais nos coments. Bjs




11 comentários:

francisca oliveira alencar disse...

Gostei muito desse final - esse fechamento com Alice foi lindo e mto bem elaborado e mais um filho pra essa familia que ficou tão defazada e agora cheia de crianças trazendo renovação e esperança - muita BELEZA! Parabéns!

francisca oliveira alencar disse...

Gostei muito desse final - esse fechamento com Alice foi lindo e mto bem elaborado e mais um filho pra essa familia que ficou tão defazada e agora cheia de crianças trazendo renovação e esperança - muita BELEZA! Parabéns!

LAV RIBEIRO disse...

perfeito

Tatiane Rocha Gurdiano Aloquio disse...

Nossa dois dias de sofrimento,me desdobrando para continuar dar a devida atenção a está magnifica história e cuidar de minha casa e meus filhos...
Muito obrigada Jacqueline Sampaio por essa brilhante história...Confesso que fiquei um pouco desnorteada em meio a tanto sofrimento,em choque em alguns momentos porém não conseguia deixar de ler.
Quando não está no computador,me pegava com o tablet sem conseguir deixar de ler..
Que vem mais e mais belas história dessa sua mente brilhante!!!
Parabéns :)

crismaycon disse...

Oh god... Nao acredito... Serio q acabou.. Vo chorar

Sakurahot disse...

Tbm tive problemas em casa! Kkkk 1 dia e meio. Ficando até as 4 da manhã pra terminar de ler...
Filho,casa ,roupa pra lavar...minha vida parou nestes 1 dia e meio.
Meus Parabéns Jacqueline Sampaio q brilhante história mesmo eu nao gostando de Alice e Jasper terem partido...fiquei realmente triste cm isso...rsrs
Mas amei cmo vc concluiu ...
Não pare...quero mais histórias só q mais felizes...hhi..
Bjss

Bells disse...

Final Perfeito!

Vanessa Nesladek disse...

ameiii..

Jessica Caroline disse...

Melhor fic q já li na minha vidaaaa
Apaixonada
Nao pode acabar, ten q ser eterna.. Rsrs
Parabéns, foi maravilhosa!!!

Roberta Ferrari disse...

Adorei a trama até o último capítulo e continuaria lendo se ainda tivesse mais. Parabéns.

Roberta Ferrari disse...

Adorei a trama até o último capítulo e continuaria lendo se ainda tivesse mais. Parabéns.

Postar um comentário

Deixe aqui o seu comentário sobre o post: