FANFIC - AGORA E SEMPRE - CAPÍTULO 40

Olá Amores!!! Hoje vamos curtir o 40° capítulo de "Agora e Sempre". Quer acompanhar a história desde o início?Clique aqui.


Edward Cullen põe fim a um fatídico relacionamento com a sua prima Tanya, que inconformada tenta de todas as maneiras trazer-lo de volta para sua cama, onde de fato ele esteve pouquíssima vezes. Isabella Swan de uma forma marcante conhece Edward Cullen irmão de sua melhor amiga Alice, e mesmo sem está preparada se entrega a magia do momento e tem uma maravilhosa noite de amor, porém nem tudo são flores.Será que o amor sobreviverá as armações, intrigas, mentiras, e a uma ex?


Autora : Mery Arruda
Classificação: +18
Gêneros: Hentai, Drama, Romance
Avisos: Álcool, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo




Capítulo 22 Turbulência




Por Tanya.



— Mamãe a senhora precisa me ajudar!



— O que você quer que eu faça?



— Fale com Carlisle, Edward não pode me abandonar desse jeito.



— Edward está casado, filha.



— MAS ELE TEM QUE FICAR COMIGO!— gritei já enraivecida, como assim, até minha mãe estava contra mim. — COMIGO E NOSSO FILHO.



— Se acalme filha.



— Como posso ficar calma, se a cada dia que passa ele se distancia mais de mim, não da atenção ao nosso filho, eu preciso da atenção dele.



— Olhe, eu vou procurar seus tios e conversar com eles, tudo bem assim?



— A senhora promete mamãe?



— Prometo sim, agora se acalme que esse estresse todo não faz bem ao bebê.



— Eu vou me acalmar.



— Sua amiga ligou, por que não da uma volta com ela, faz dias que você não sai de casa.



— E como eu vou sair horrorosa desse jeito. — Apontei para minha barriga.



— Não diga isso filha, você está linda com essa barriga.



— Até parece, estou gorda, nenhuma roupa me cabe.



— Filha daqui a pouco você completa 7 meses é natural...



— Vou ficar cada vez pior, toda inchada.



— Não fale isso, daqui a pouco meu netinho estará aqui e você vai ver que valeu a pena esperar nove meses para ver o rostinho de seu filho. — Ela alisou meu rosto carinhosamente. — a maternidade lhe fará bem.



— Ta... Ta... Vou dormir um pouco que passei a noite sem conseguir dormir direito, com minhas costas doendo.



Mamãe já ia saindo, mas voltou.



— Tanya, não é hoje sua consulta médica?



Pra que ir ao médico, sei que esse pentelho está bem, ou pelo menos melhor que eu que estou toda deformada por culpa dele. E vê se vou perder meu tempo indo à consulta, passar uma eternidade em uma sala de espera para depois ser cutucada e tudo pra quê? Pra saber se esse fedelho está bem.. Não muito obrigada, eu não vou.



— Ainda está cedo mamãe, será no final da tarde.



— Será que hoje vamos saber o sexo?



— Será um menino.



— Como você sabe, já viu?



— Não, mas com certeza Edward ficará feliz em saber que seu primeiro filho será um garoto.— Sorri, só nessas horas eu ficava feliz em estar grávida, do resto eu odiava.— Já imaginou mamãe, um garotinho, com a pele clara, cabelos acobreados igualzinho ao dele, com os olhos azuis.



— Você gosta muito dele não é Tanya?



— O amo! E sei que podemos ser felizes juntos. — Sorri. — Todo mundo dizia que formávamos um belo casal. Eu tenho certeza mamãe que formaremos uma família feliz. — E por isso eu faria qualquer coisa.



— A esposa dele também está grávida filha...



— E daí?



— Você não acha que deveria esquecê-lo?



— COMO? ATÉ A SENHORA ESTA CONTRA MIM? NÃO QUER ME VER FELIZ?



— Não diga bobagens filha...



— Me deixe só!



— Tudo bem, que horas será sua consulta?



— Será no final da tarde. — Falei amuada já me deitando.



— Descanse que venho lhe chamar depois.



Minha mãe saiu deixando-me sozinha com meus pensamentos, mil idéias polvilhavam minha mente, eu teria que chamar a atenção do Edward.



Eu poderia convidá-lo a ir à consulta comigo... Talvez ele sabendo que seria um garoto ficasse feliz... Não é justo ele ficar paparicando aquela lombriga enquanto eu que sou sua verdadeira mulher fico aqui sozinha.



Que saco!



Procurei uma posição melhor na cama, INFERNO! Não conseguia dormir por conta dessa maldita barriga. Peguei o telefone e liguei pra Gianna.



— Oi Tanya?



— Alguma novidade?



— Tudo na mesma, falei com meu amigo hoje, ele disse que ainda estão com a intimação para lhe entregar.



— O que mais ele falou?



— Que seria melhor para você prestar esclarecimentos, mas como o chip, não é registrado em seu nome, será sua palavra contra a deles.



— Então é seguro eu me apresentar?



— Ele disse que sim, mais não se preocupe , falei que você estava com uma gravidez de risco e precisava de muito repouso, eles vão esperar você se recuperar.



— Ótima notícia.



— E como está se sentido?



— Como você acha péssima!— falei com raiva. — Com essa barriga, que não me deixa dormir, passei a noite toda rolando na cama e quando encontro uma posição confortável, essa coisa começa a me chutar.



— Não fale assim Tanya é seu filho.



— Não vem você também ta? Não é você que está ficando deformada.



— Pare de frescura Tanya!



— Frescura o cacete, estou gorda, nenhuma roupa fica bem em mim e tudo por conta dessa coisa.



— Já imaginou se o Edward escuta você falando assim da criança?



— Vira essa boca pra lá, ta me jogando praga agora é?— Falei sorrindo. — Quero dar uma volta pelo Shopping, você pode me fazer companhia?



— Tudo bem, mas só poderei no final da tarde.



— Tchau, vou ver se consigo dormir agora.



— Tenta relaxar, lembre-se que essa criança não tem culpa de nada, ela não te pediu...



— Ta... Ta.. Ta.... Não quero escutar sermão, caso quisesse iria à igreja, queridinha, — Sorri. — Até mais tarde.



Mais uma vez procurei uma posição para poder dormir, estava difícil, muito difícil, pelo jeito seria mais uma tentativa em vão.



Não consigo entender como alguém pode ficar feliz estando nessa situação, grávida! Aff! Qual e a beleza que existe nisso, você fica totalmente deformada, cadê a porra da magia que todo mundo diz sentir? Sinceramente eu não sentia alegria, sentia sim era nojo, repudio e a cada minuto, mais raiva.



Havia ficado grávida para prender Edward, pois sei o quanto ele gosta de crianças, não sei qual a graça nisso, mas ele gostava e aqui estou eu, carregando um filho que é dele! Sim dele por que nenhum outro homem será pai de um filho meu, por mais que eu não goste de crianças, mais se tem que ser assim, então que seja. Mas ele será do Edward!



Mais uma vez o pestinha me chutou, parece que ele não sabia fazer outra coisa, que saco.



Levante-me e fui ao banheiro, estava com uma vontade enorme de fazer xixi, e aproveitaria para tomar logo um banho, já que não conseguiria dormi mesmo, então por que ficar na cama?



A água quentinha do jeito que eu gosto, escorrendo pelo meu corpo, levando todo cansaço e enfado de uma noite mal dormida, sei que já faz um tempo que não durmo direito, mas essa noite foi a pior de todas, sentia ele se mexendo o tempo todo, as vezes sentia umas pontadas em minha vagina, mas depois passava, será que isso é normal? Vai saber né, deve ser.



— Filha?



— Estou no banho. — Que saco, o que ela quer agora.



— Tem uma amiga sua aqui, Jane.



— Mande-a entrar, que já estou saindo.



Enrolei-me na toalha e fui para o closet, estava procurando uma roupa quando a Jane entrou.



— Oi sumida quanto tempo?



— Estava viajando Jane, a que devo a sua visita?



— Gianna me ligou pra irmos juntas ao Shopping.



— Claro, claro, já estou me arrumando. — Falei indo terminar de me maquiar, se tinha uma coisa que me deixava irritada era uma maquiagem mal feita. — Ela já está vindo pra cá?



— Não, ela vai nós encontrar por lá mesmo.



— Ok! Vamos logo que quero comprar umas roupas novas, pois as minhas não entram mais.



— Você está de quantos meses?



— Semana que vem completo sete.



Pegamos nossas bolsas e saímos, encontrei com minha mãe na sala.



— Filha não esqueça a hora da consulta.



— Ok, Mamãe tchau.



— Te cuida filha.



O tempo estava agradável, e em pouco mais de quarenta minutos estávamos no estacionamento do primeiro piso.



— Estou com fome que tal um lanche primeiro?— perguntei.



— Por mim tudo bem.



— Ótimo, não aguento ficar tanto tempo em pé, essa barriga pesa.



— Já descobriu o sexo?



— Ainda não— Apressei o passo estava louca pra ir ao banheiro. — Preciso ir ao banheiro.



Entramos no banheiro e graças a Deus estava vazio, o que é um milagre, segui logo para uma cabine esperando me aliviar. Escutei a porta se abrindo imaginei ser a Jane saindo, mais quase cai do vaso quando escutei as vozes.



— Estou tão apertada Alice.



Não acredito, até aqui esse povinho me persegue.



— Eu também, Rose.



Era só o que me faltava esbarrar com essas duas aqui, o melhor é esperar elas saírem. O que não demorou muito até escutar as duas conversando.



— Rose, só um minutinho preciso retocar a maquiagem.



Alice e suas manias.



— Sua maquiagem está perfeita Alice— Era a voz chata da Rose. — Aonde vamos almoçar?



— Não sei, deixe mamãe e Bella terminarem naquela loja, então decidimos.



— São lindos aqueles berços. — Elas estavam felizes. — Alias o quarto todo ficou lindo só sua mãe para harmonizar tão bem o ambiente.



— É um dom que ela tem, ela combina tudo perfeitamente, até com a mistura de tons ela se saiu bem, o quarto do seu bebê ficou perfeito, e agora dos de Bella.



Pela forma que a nanica falava era possível imagina o quanto ela estava eufórica, poderia jurar que ela estava dando pulinhos e batendo palmas.



— Não vejo a hora de ver meus lindos sobrinhos.— Alice continuou eufórica.—Primeiro os da Bella depois o seu.



Como assim os da Bella, seria dois? Não era possível aquela... Aquela... Teria dois...



— Alice, acho que se fosse eu no lugar da Bella teria surtado... Caraca três bebês, para alimentar, dar banho... Imagina amamentar a todos eles ao mesmo tempo, e como saber qual já mamou...



— E você acha que ela vai cuidar sozinha? — Alice sorria. — Mamãe não sairá de perto dos netos, sem falar de Edward, ele já está babão agora, imagina quando os filhos nascerem.



— Ele vai surtar! — As duas gargalharam.



— Não só ele, acredito que Emmett apesar daquele tamanhão todo vai se desmanchar quando o filho nascer.— A nanica estava irritante hoje, que saco.— E aí, estou bem?



— Lógico Alice, agora vamos que seu sobrinho está pedindo comida.



As duas saíram e o silêncio tomou conta do lugar, não sei quanto tempo fiquei lá, sentada no vaso sanitário, remoendo a conversa que acabei de escutar, mas uma parte em particular, chamou mais minha atenção.



...Edward, ele já está babão agora, imagina quando os filhos nascerem.



Ta isso eu ia ver, se eles nascessem queridinhas, se...



Sai às pressas do banheiro, já com um plano em mente, estávamos em um local público e propício a acidentes, eu só teria que esperar um vacilo, uma oportunidade de ficar sozinha com aquela lombriga pálida e acertaria nossas contas.



— Tanya por que demorou tanto? — Perguntou Jane assim que me viu. — Aconteceu alguma coisa você está pálida.



— Onde você estava, não viu quem saiu do banheiro?



— Eu estava aqui, — Ela me olhou confusa. — E saíram duas mulheres, uma baixinha e uma alta que está grávida.



— A baixinha é Alice, irmã de Edward e a grávida, Rose, esposa do Emmett.



— Deus, elas te viram?



— Não! Eu fiquei esperando elas saírem e escutei a conversa delas.



— Então?



— A Isabella, está grávida de três.



— Sério, mas que coisa b...



— Pense bem antes de completar essa maldita frase.— Falei ríspida com a Jane.



— É que... É diferente. Três? Caramba eles devem estar super...



— Adeus Jane, vejo que não podemos continuar amigas.



— Deixe de besteira...



— Adeus! — Falei já saindo de perto dela, ela só atrapalharia meus planos.



— Adeus Tanya, só não venha chorar depois quando não tiver mais amigas.



— E desde quando você foi minha amiga?



— Desde sempre.



— Fala sério, você acha que perderia meu tempo querendo você como amiga?



— E impressão minha ou você está arisca comigo?



— Não esqueci que você me entregou ao Edward...



— Você se aproveitou de minha confiança para se aproximar dele e armar para ir pra cama com ele, você não tinha capacidade de seduzi-lo e por isso usou desse golpe tão baixo.



— Ora sua...



— Você não foi honesta comigo Tanya



— E quem é você para falar em honestidade? Faça-me o favor.



— Eu não vivo armando pra ninguém, vivo minha vida e pronto.



— É você vive sua vida oferecendo festinhas. — Sorri— Isso lá é vida.



— Cuspindo no prato que comeu Tanya?



— Olhe aqui...



— Olhe aqui você...



— Você foi leviana, comigo, eu abri as portas de minha casa pra você, eu te dei a mão. Ou você se esqueceu de quantas festinhas em minha casa você frequentou?



— Você ganhou mais do que eu com isso, ou seja, não lhe devo nada. — Falei encarando-a.



— Realmente a mim, você não deve nada, mas existe alguém que você deve e muito e que adoraria saber de muitas coisinhas que sei ao seu respeito.



— Olhe aqui sua ordinariazinha...



— Ordinária aqui é você, que armou essa gravidez para tentar acabar com a vida de outras pessoas.



Ela veio pra cima de mim e dei um passo para trás, as pessoas ao nosso redor já percebiam que isso não era apenas uma conversar amigável.



— Eu posso ter uma vida que na visão de muitos não é boa, mais foi a que escolhi, me mantenho dela, e nunca... Nunca prejudiquei a vida de ninguém, como você está tentando fazer com a mulher de Edward.



— ELA NÃO É MULHER DELE! — Falei entre os dentes me controlando para não gritar na cara dela.



— Se toca Tanya, ela é sim mulher dele, foi a ela que ele escolheu pra casar e construir uma família.



Não aguentando mais levantei a mão para bater na cara da Jane, quem ela pensa que é para vir me dar lição de moral, qual a moral dela?



— Olhe sua...



Jane sustentou minha mão no ar e olhou pra mim sorrindo maliciosamente, por um momento pensei que ela fosse me bater, mas ela largou minha mão e se afastou.



— Sua sorte é que está grávida só isso me impede de te dar uma boa lição. — Ela me olhou com... Nojo? Pena?— Só espero que o pai dessa criança tenha juízo bastante para te manter longe dela, tão logo ela nasça.



E sem dizer mais nada ela se afastou, fiquei petrificada por um momento vendo-a sumir na multidão que passeava entre os corredores das lojas.



Saindo do choque, voltei a olhar ao redor e decidi ir para uma lanchonete, já estava sentada tomando meu suco quando avistei as quatros, saindo do restaurante, Tia Esme estava sorrindo, enquanto conversava animadamente com Rose, Alice vinha logo atrás com a lombriga pálida.



Era por isso que ele havia me trocado?



Mesmo sem querer, desci meus olhos para a protuberância do seu ventre... Ela estava enorme. Voltei a olhar pra seu rosto e ela sustentava um sorriso... Como alguém pode estar feliz deformada daquele jeito?



Era isso que ele gostava nela? Essa carinha sonsa de estar de bem com tudo e todos, ela deveria fingir, como eu fingi durante nosso namoro, quero mesmo ver até quando ela vai continuar com esse sorrisinho meloso e irritante nessa cara lambida.



Elas se afastaram, continuei acompanhado com o olhar para onde se dirigiam, rapidamente paguei a conta seguindo-as com cuidado para não ser notada, eu teria que colocar meu plano em pratica, teria que aproveitar um momento que ela estivesse só.



Duas horas depois e nada, ninguém a deixava só, até para ir ao banheiro estava sempre com ela, que saco! Mas sou persistente e não desistirei, sei que um momento elas se distrairão então eu aproveito.



Antes de tudo eu teria que arrumar um álibi, vai que alguém me ve por aqui, já sei, pequei meu celular e liguei para Gianna.



— Gi, por onde você anda?



— Ainda estou em casa.



— Faça-me um favor, ligue para o Edward, chorando... Não, gritando e finja ser eu, diga qualquer coisa...



— O que você está pretendendo fazer?



— Isabella está aqui no Shopping...



— Tanya não faça nenhuma loucura...



— Você vai ligar? — Perguntei já enraivecida.



— Não quero confusões com os Cullen.



— Você não fará nada demais só ligue para ele.. Finja ser eu e diga que estou perdendo e preciso que ele me socorra...



— Tanya gosto muito de você, mas isso é me colocar na linha de frente dele... E no mais ele deve reconhecer sua voz.



— Ok pode deixar que eu me viro.



— Tanya não faça nenhuma loucura...



— Tchau.



Porra ninguém quer me ajudar, mas nada vai me impedir de fazer o que tenho em mente, e de hoje não passa.



Procurei um toalete e já dentro, me certifiquei que estava sozinha dei o primeiro passo. Teria que ser rápido, não poderia dar tempo dele falar nada. Talvez ele não fizesse nada, mas sempre teria essa duvida como eu poderia estar em dois lugares ao mesmo tempo.



Para ter certeza ele teria que ir até lá, e constatar que eu realmente haveria dado entrada, mas isso ele não teria cabeça, pelo menos por enquanto. E quando ele estivesse totalmente arrasado, chorando, eu estaria lá como sempre estive por ele.



Para consolá-lo, apoiá-lo.



Respirei fundo e liguei, tocou uma, duas, três e ele atendeu.



— Oi bebê?



Bebê era assim que ele a chamava, ele nunca teve esse tipo de carinho comigo... Nunca! E isso só aumentava a minha raiva e vontade de matar aquela filha de uma mãe que havia roubado o homem da minha vida.



— Edward, estou sangrando é muito sangue... Muito sangue me ajude...



Comecei a falar chorando e gritando, não dei tempo dele responder e desliguei na cara dele. Agora era sair e encontrar aquela vadia e acabar com a vida dela.



Não demorou muito e a encontrei, situação perfeita não poderia existir, ela estava só no topo da escada rolante, distraidamente como esperasse alguém. Então era me aproximar, empurrá-la e continuar andando como se nada houvesse acontecido.



Olhei ao redor procurando pelas outras e não avistei ninguém, então comecei a me aproximar. Seria mais fácil do que havia imaginado de forma discreta e rápida, as coisas definitivamente estavam a meu favor agora e isso me animou mais ainda.



Continuei andando a passos largos passando entre a multidão sem ser notada, já estava a centímetros dela, impulsionei meu corpo para ganhar força e empurrei.



Escutei um grito e tudo aconteceu ao mesmo tempo.



Aos meus olhos se passava em câmara lenta, o corpo tombando pra frente e perdendo o equilíbrio, rolando escada a baixo, e por incrível que pareça não tinha ninguém pela frente que pudesse impedir a queda.



Vi um colorido de gente, que corria em vão para tentar sustentar o corpo que caia enquanto a barriga batia contra todos os degraus, era indescritível a sensação que estava sentindo nessa hora.



No meio da multidão borrada que passava por minha volta consegui encontrar o rosto pálido dela, que me olhava em choque, como se não entendesse nada que estava acontecendo ao seu redor. Enquanto eu sorria, vi lágrimas escorrendo por sua face e suas mãos ser colocada em seu ventre como se tentasse protegê-los.



Uma tola era ela uma grande tola.



Eu não tive outra reação a não ser gritar, mais a minha voz não saia, tentei respirar, mas estava completamente difícil.



Meus olhos foram perdendo o foco, não conseguia mais discernir nada e nem tão pouco escutava o falatório que minutos antes estava no ambiente, tudo que conseguia escutar era ruídos distantes sem nexos.



Uma dor que parecia rasgar-me de dentro pra fora me assolava, meu corpo por fim atingiu o chão frio de mármore em um baque surdo, insisti e tentei mais uma vez abrir meus olhos, tentando acordar desse pesadelo, mais foi em vão.



Parecia que universo tinha conspirado contra mim, por um momento acreditei que havia conseguido, até compreender o que realmente estava acontecendo, tentei mais uma vez abrir meus olhos, mas a escuridão era mais forte e me tragava... E sem mais forças para resistir, me entreguei a ela.



Fim por Tanya



O ódio é um copo de veneno que quem odeia toma todos os dias, na esperança que o outro morra. (Autor desconhecido)





Continua...




6 comentários:

LAV RIBEIRO disse...

nossa ela é muito cruel mas pelo que eu entendi ela teve o troco

Jannáyra Menezes disse...

Qe terrivel!!!!'

Yasmim Oliveiradesouza disse...

Ahm?foi a Tanya mesmo que caiu...meu Deus que mulher maluca....
Que susto a Bela deve ter levado....

Joelma Pacheco disse...

N sei se entendi direito foi a Putanya q caiu ?

Anônimo disse...

não entendi o que aconteceu com a Bella.

Stefany Paula disse...

as duas caíram???
nossa essa Tanya é mto mto má cruel horrivel.
Quero logo o proximo

Postar um comentário

Deixe aqui o seu comentário sobre o post: